Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Parturientes portuguesas com níveis elevados de mercúrio

Parturientes portuguesas com níveis elevados de mercúrio

Estudo realizado pela Universidade de Aveiro detetou níveis elevados de mercúrio em mulheres que acabaram de dar à luz, sendo que em algumas delas superavam mesmo os valores recomendados pela OMS e pela a Agência de Proteção Ambiental Americana.

Pinterest Google+

Como resultado da investigação, e face aos níveis de mercúrio encontrados na membrana amniótica, superiores aos detetados nos tecidos placentários, os biólogos apontam uma possível função daquela membrana na eliminação de metais e diminuição da sua transferência para o feto. Uma hipótese que precisa de mais estudos para ser confirmada.

 

Neste momento, as investigadoras estão já a preparar um trabalho complementar que, utilizando as amostras recolhidas, irá descrever os efeitos resultantes da exposição a mercúrio na modificação química do ADN e em várias enzimas responsáveis pela atividade celular.

 

Veja também: Síndrome do ovário poliquístico

 

Embora outros estudos já tenham efetuado uma análise semelhante, detetando a acumulação de outros elementos metálicos, «este é o primeiro estudo que avaliou, a acumulação de mercúrio e igualmente esta potencial função da membrana amniótica». Atualmente, aponta Susana Loureiro, «estamos expostos a uma panóplia de compostos, para os quais, as mulheres grávidas em particular, não estão sensibilizadas». A investigadora realça que «é a combinação de várias fontes de mercúrio que podem estar presentes nos nossos hábitos do dia-a-dia que são, no final, responsáveis pelos valores encontrados».

 

A bióloga diz que «seria importante que a nível nacional se apostasse mais em linhas de investigação como esta, focando em biomarcadores de exposição ambiental, de forma a prevenir consequências na saúde do bebé e da própria mãe», durante o período de gestação.

 

Veja também: Estudo revela consequências negativas da episiotomia

 

O trabalho obteve financiamento através do OHMI Estarreja (OHMI – International Observatory Hommes-Millieux, do Institut Ecologie et Environnement du CNRS e do National Center for Scientific Research/Institute of Ecology and Environment, no âmbito do projeto Maternal-fetal transfer of mercury in women from Aveiro district: influence of lifestyle and environmental factors, coordenado por Marta Monteiro. A investigação contou com a colaboração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga.

Artigo anterior

Casais que trabalham juntos: como gerir a relação

Próximo artigo

O casamento e os seus regimes