Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Parlamento europeu aprova planos para aumentar taxas de reciclagem

Parlamento europeu aprova planos para aumentar taxas de reciclagem

O pacote legislativo inclui quatro diretivas específicas sobre resíduos, aterros, embalagens e reciclagem de veículos, baterias e equipamentos eletrónicos.

Pinterest Google+
PUB

Os deputados europeus aprovaram esta semana quatro diretivas relativas à gestão de resíduos, principalmente os resíduos das famílias e das pequenas empresas, que representam 8% do total de resíduos.

 

A proposta da Comissão Europeia propõe um objetivo de 65% de reciclagem e um máximo de 10% de deposição em aterros até 2030. No entanto, a Comissão do Ambiente do Parlamento apoia objetivos ainda mais ambiciosos: 70% para a reciclagem e 5% para a deposição em aterro.

 

Veja também: Quando Rubbish deixa de ser lixo

 

Estes planos são um primeiro passo para a criação de uma economia circular onde os produtos são concebidos de modo a facilitar a reutilização. Uma das questões mais importantes é efetivamente o aumento das taxas de reciclagem e também a limitação do aterro, que é provavelmente a maneira mais prejudicial de se livrar dos resíduos.

 

Os objetivos das diretivas passam por atingir um modelo económico mais respeitador do ambiente que envolva a redução da quantidade de resíduos através da reutilização, recolha, reciclagem e reparação, tanto quanto possível.

 

Veja também: Mercado na ModaLisboa vai permitir trocar peças de roupa

 

Ainda que o aterro sanitário seja a forma mais barata de se obter resíduos, é também a opção mais nociva para o meio ambiente e potencialmente para a saúde humana. Como tal, «é necessário limitar os aterros ao mínimo e avançar para outros métodos, como a incineração, ou mesmo uma melhor reciclagem, reutilização e reparação. Taxas mais baixas de aterro geralmente envolvem taxas mais elevadas de reciclagem. Quanto menos um país utiliza aterros, mais tende a reciclar», lê-se no site oficial do Parlamento Europeu.

 

Por sua vez, a incineração, apesar de ser uma alternativa melhor ao aterro, o seu uso pode originar taxas de reciclagem mais baixas. No caso dos países que apresentam taxas de incineração muito elevadas como, por exemplo, a Finlândia e a Dinamarca, por também utilizarem este método para produzir energia, esta legislação pode afetar a situação.

 

Artigo anterior

Carolina Torres estreia-se na ficção em nova novela da SIC

Próximo artigo

Mercado na ModaLisboa permite hoje trocar peças de roupa