Home»BEM-ESTAR»CORPO»Pare de se agredir! Tome conta do seu corpo

Pare de se agredir! Tome conta do seu corpo

Sabemos que o metabolismo pode aumentar mediante situações de stress, mediante eventos afetivos graves, quando, por exemplo, emagrecemos demais após a perda de um amigo ou de um familiar, ou após uma separação… Esta perda de peso/gordura associada não é, obviamente, saudável. São situações transitórias, de desregulação, de grande agressão! Contudo, para além dos eventos traumatizantes e agressivos que ocorrem na nossa vida, também nós somos capazes de nos auto agredir.

Pinterest Google+
PUB

Sabemos que as dietas extremamente restritivas, como tantas existem, em que as calorias ingeridas são mínimas, muitas vezes acompanhadas por suplementos termogénicos, fármacos inibidores do apetite, outros que produzem efeito drenante renal e intestinal fazendo-nos perder água por todos os poros e esfíncteres, e ainda acrescem efeito antidepressivo, sem dúvida que têm por resultado a redução do peso corporal. Mas será que são benéficas no longo termo? Ou serão uma agressão?

 

Alguém que já passou por muitas situações de perda de peso transitória sabe do que falo. Quando já se fez todas as dietas de A a Z, quando já se tomou aquele fármaco, o outro drenante, o termogénico da moda, quando se fez ioiôs de peso várias vezes na vida, então entende-se que, de uma vez por todas, é preciso parar e aprender sobre o que é fundamental.

 

O fundamental é mesmo aprender. É entender o processo. É ter calma, viver dia após dia, com a convicção de que se está no caminho certo. Porque se compreendeu finalmente que aquele é o caminho certo, não o anterior. É viver esse processo, com interesse, com afeto dedicado ao corpo que sofreu agressões atrás de agressões, desde o excesso de peso, passando pela restrição obrigatória. Pelos ioiôs sucessivos.

 

O que preconizo é acarinhar o processo de emagrecimento e privilegiar a aprendizagem. Com vista à autonomia e não à dependência da próxima dieta, ou, “o que faço quando acabar a dieta”, ou “espero que esta dieta acabe rápido”.

 

Todos os que conhecem o meu trabalho sabem qual a linha de trabalho que defendo: a procura do aumento e preservação da massa muscular (magra) por constituir o nosso maior património metabólico. E defendo que os exercícios sejam sustentáveis, permitindo desafiar o sistema gradualmente e progredir, treinando o ano inteiro, os anos inteiros, a vida toda. Para que se possa ter um comportamento ativo na maior parte do tempo de vida.

 

Aquilo que me parece mais benéfico no longo termo é a aprendizagem de como funciona o corpo humano e quais as suas necessidades reais. Uma aprendizagem que permita, a pouco e pouco, desenvolver autonomia sobre as escolhas alimentares e sobre a dose/frequência de exercício, sabendo que tanto o exercício como o descanso são essenciais.

 

É fundamental tomar as rédeas do processo de melhoria da composição corporal e entender que:

– O exercício adequado é absolutamente imprescindível para garantir um metabolismo saudável, preservar e/ou aumentar a massa magra – não exercitar é uma agressão!

– A dieta adequada é uma aprendizagem constante, é um processo, não é algo transitório com o objetivo de perder peso, (nem sempre apenas à custa de massa gorda) para depois voltar a ganhá-lo – isso é uma agressão!

 

Faço-lhe um desafio:  Pare de agredir o seu corpo e trate-o com todo o respeito que ele merece. Ele merece exercitar regularmente e que o alimente como gostaria que um filho seu fosse alimentado. Para ser saudável.

Artigo anterior

A beleza está a ficar mais democrática, revela estudo

Próximo artigo

“DR” é uma chatice!