Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Palavra do ano: a luta das mulheres marcada na língua em 2017

Palavra do ano: a luta das mulheres marcada na língua em 2017

O dicionário Merriam-Webster elegeu a palavra que mais marcou o ano nas pesquisas desta plataforma americana. ‘Feminism’, ou feminismo, cresceu 70% em relação a 2016 devido a várias iniciativas de repercussão global.

Pinterest Google+

‘Feminism’, feminismo em português, foi eleita a palavra do ano pelo dicionário centenário americano, Merriam-Webster. A pesquisa por esta palavra cresceu 70% em relação a 2016 e resulta de várias iniciativas na sociedade americana que tiveram eco a nível planetário.

 

«A palavra do ano é uma medida quantitativa de interesse numa palavra em particular. O nosso dicionário online dá-nos uma visão da curiosidade coletiva do público, com milhões de palavras pesquisadas todos os meses. Quando olhamos para trás nos últimos doze meses e combinamos uma análise de palavras que viram um aumento em relação ao ano anterior juntamente com exemplos de intensos pontos de interesse em notícias, vemos que uma palavra se destaca em ambas as categorias», explica o dicionário no seu site.

 

O interesse por esta palavra começou a tomar corpo logo em janeiro de 2017, aquando da Marcha das Mulheres, onde milhares de mulheres, entre elas estrelas de Hollywood, se manifestaram pela defesa dos direitos humanos que consideraram ameaçados pela administração de Donald Trump. Um movimento que se propagou pelo mundo fora e movimentou milhões de pessoas pelos direitos das mulheres.

 

VEJA TAMBÉM: COR DO ANO: COMO A PANTONE ACOMPANHA O PULSAR DO MUNDO

 

O interesse na definição de feminismo também foi impulsionado pelo entretenimento este ano. O dicionário viu as suas pesquisas aumentadas após o lançamento do filme ‘Wonder Woman’, protagonizado por Gal Gadot.

 

Mais recentemente, um outro evento que se iniciou nos Estados Unidos e tomou proporções internacionais fez cimentar a palavra: as acusações de assédio sexual e a revolta das mulheres que se uniram no movimento #MeToo.

 

Recorde-se que este movimento foi também ele eleito recentemente ‘Personalidade do Ano’ pela revista ‘Time’. O movimento começou em Hollywood, mas alargou-se a várias áreas da sociedade, nos Estados Unidos e noutros países.

 

 

Artigo anterior

Sabe o que quer neste Natal?

Próximo artigo

Vai à festa de Natal da empresa? Veja como abrilhantar uma conversa