Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Ovo na alimentação: mitos e realidades

Ovo na alimentação: mitos e realidades

Durante muitos anos, foi divulgada a ideia de que a ingestão regular de ovos era a principal responsável pelo aumento do colesterol no sangue. Agora, fruto das novas investigações, sabe-se que não é assim e, como tal, o ovo viu recuperado grande parte do seu prestígio. O Dia Mundial do Ovo é assinalado na segunda sexta-feira de outubro, desde 1996, tendo sido estabelecido pela Comissão Internacional do Ovo.

Pinterest Google+
PUB

Alimento funcional

A Associação Americana do Coração já não inclui nos seus guias de normas mais recentes a recomendação do limite do consumo de ovos. Com esta nova posição, as “velhas” qualidades do ovo (elevado teor proteico, vitamínico e mineral) voltaram a ser exaltadas, enquanto outros novos nutrientes estão a ser descobertos (quantidades significativas de carotenóides e de colina).

 

Pondo estas descobertas em evidência, o ovo está a ser elevado à categoria de alimento funcional. Nesta categoria, estão os alimentos fisiologicamente ativos, que produzem benefícios adicionais à simples nutrição.

 

Além de ser economicamente acessível para qualquer pessoa, o ovo é de fácil preparação e digestão. Não é difícil de tornar habitual o consumo deste alimento por pessoas de todas as idades e estratos sociais.

 

VEJA TAMBÉM: OS ALIMENTOS MAIS RICOS EM ANTIOXIDANTES

Valor nutritivo

O ovo é um dos alimentos de maior valor nutritivo, principalmente pelas proteínas que contém. Estas proteínas são perfeitamente assimiláveis pelo organismo humano e fornecem, juntamente com as vitaminas e os sais minerais da gema, todos os nutrientes que o corpo precisa para estimular o crescimento e regenerar os tecidos.

 

Como é muito rico em ferro e fósforo, o ovo é recomendado nos casos de anemia e nos períodos de convalescença. As crianças que não manifestem reacções alérgicas podem começar a consumi-lo a partir do nono mês de vida. Os adultos podem comer 1 ou 2 ovos por dia.

 

O valor nutritivo do ovo não se altera com a confeção (cozedura), porque as proteínas, quando expostas ao calor, em vez de se dispersarem, coagulam-se. O ovo só não é recomendado ou para pessoas com problemas hepáticos, devido à quantidade de colesterol que apresenta (275 mg).

 

Quem apresentar uma predisposição genética para ter taxas elevadas de colesterol no sangue e propensão para as doenças do forro cardíaco, aconselho a consultar um nutricionista, para serem esclarecidas todas as dúvidas.

 

VEJA TAMBÉM:  ALIMENTOS FERMENTADOS ALIADOS DA SAÚDE (SOBRETUDO DO INTESTINO)

 

O ovo contém vários nutrientes importantes ao organismo. É considerado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como um alimento proteico padrão e de alto valor biológico. A clara tem 90% de água e 10% de proteínas. A gema tem água (50%), proteínas (16,6%), gorduras (31,6%) e sais minerais (1,8%).

Também inclui na sua composição:

– Vitaminas lipossolúveis: A, D, E e K;

– Vitaminas do Complexo B, incluindo a B12;

– Sais minerais: ferro, fósforo, manganésio, potássio e sódio.

 

Mesmo que seja consumido inteiro, o ovo apresenta um valor calórico baixo: cerca de 76 kcal e 7 g de proteína (sendo 4g na clara e 3g na gema). Hoje, com o avanço da tecnologia, já existe o ovo desidratado, que é bastante utilizado pelas indústrias agro-alimentares.

 

A gordura da gema dos ovos é insaturada. Além disso, os ovos enriquecidos em ómega-3 apresentam efeitos protectores em relação à arteriosclerose. Por outro lado, é na gema que existe o colesterol. O colesterol, no entanto, tem funções tão importantes, que o nosso organismo possui um complexo sistema de síntese deste composto.

 

Entre as funções do colesterol, está a síntese de testosterona, a hormona anabolizante natural do organismo, que é estimulado pelos exercícios, principalmente os que são feitos com pesos (musculação). Quando aumenta a ingestão de colesterol na alimentação, o organismo diminui a síntese endógena: nesse sentido, controla e regula as quantidades no sangue para o seu benefício.

 

Em conclusão

Tendo em conta a recomendação, hoje quase generalizada e solidamente comprovada, de que uma alimentação saudável é um dos principais fatores de prevenção de muitas doenças, o ovo voltou a ser considerado um aliado na promoção da saúde.

 

Artigo anterior

Beleza de outono: dicas para brilhar na estação dos tons quentes

Próximo artigo

Troia recebe elite mundial de mergulho