Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Osteoporose na origem de 40 mil fraturas por ano em Portugal

Osteoporose na origem de 40 mil fraturas por ano em Portugal

A campanha “Impeça a Osteoporose de quebrar a sua rotina” procura dar à população uma ferramenta de apoio para este problema de saúde pública, com o lançamento da plataforma de educação “Ossos Fortes” a 16 de março.

Pinterest Google+

Em Portugal, a osteoporose está na origem de cerca de 40 mil fraturas por ano, as quais têm um impacto negativo importante na morbilidade e na qualidade de vida dos doentes e que podem ter como consequência a redução da sua sobrevivência. Estima-se ainda que cerca de 40 a 50% dos doentes com mais de 70 anos vão necessitar de assistência e de apoio social, o que implica um investimento socioeconómico relevante.

 

Dados revelados pela Associação Nacional contra a Osteoporose (APOROS), Sociedade Portuguesa de Reumatologia (SPR) e pela Sociedade Portuguesa de Osteoporose e Doenças Ósseas Metabólicas (SPODOM), com o apoio da Amgen e da Infraestruturas de Portugal, para contribuir para educação da população sobre a osteoporose e o risco de fraturas.

 

VEJA TAMBÉM: PESSOAS COM OSTEOPOROSE DEVEM EVITAR DETERMINADAS POSTURAS DE YOGA

 

Neste sentido, lançam a campanha “Impeça a Osteoporose de quebrar a sua rotina”, que procura dar à população uma ferramenta de apoio para este problema de saúde pública, com o lançamento da plataforma de educação “Ossos Fortes”. Esta plataforma abordará problemas como a falta de adesão à terapêutica, a carência de vitamina D, entre outros temas pertinentes, e suas implicações na saúde e bem-estar das pessoas com osteoporose.

 

Num estudo português publicado em 2016, estimou-se que a prevalência da osteoporose na população adulta em Portugal era de cerca de 10%, sendo mais frequente nas mulheres que nos homens. Num outro estudo recentemente publicado em 2018, sobre dados da população portuguesa, estimou-se uma prevalência de osteoporose de 50% na população feminina com mais de 65 anos, sendo que a prevalência de fraturas de fragilidade neste escalão etário foi de 21%.

 

VEJA TAMBÉM: NÃO É SÓ O LEITE. CONHEÇA OS ALIMENTOS MAIS RICOS EM CÁLCIO

 

Luís Cunha Miranda, presidente da SPR, alerta ainda que «20% das mulheres que sofrem uma fratura da anca acabam por falecer um ano após a fratura e, como tal, temos de promover a implementação de boas práticas que ajudem a melhorar a qualidade de vida dos doentes e diminuir a morbilidade e mortalidade na Osteoporose». As fraturas da anca em pessoas com osteoporose representam uma totalidade de 10 mil fraturas anuais.

 

Viviana Tavares, presidente da APOROS, refere a importância da plataforma www.ossosfortes.pt 8disponivel a partir de 16 de março), pois «partilha histórias reais, informação sobre como prevenir a osteoporose, um questionário de autoavaliação sobre risco de fraturas, cuidados para evitar as quedas e as fraturas e medidas para um envelhecimento ativo».

 

Vai ser ainda realizada uma ação de rua que pretende sensibilizar a população para esta problemática, a decorrer entre as 9h e as 13h, de dia 16 de março, no Mercado da Ribeira e na Estação Ferroviária do Cais do Sodré, em Lisboa.

 

Artigo anterior

Primavera, uma explosão de cores

Próximo artigo

Comece a marcar: ideias de programas para o Dia do Pai