Home»ATUALIDADE»EDITORIAL»Os selvagens das redes sociais

Os selvagens das redes sociais

Pinterest Google+

Há uns bons anos, tinha eu um blog na área de tecnologia, espantava-me com alguns comentários pouco delicados de utilizadores anónimos. Pensava eu, na altura, que era de uma cobardia atroz esconderem-se atrás de um nickname para dizerem o que lhes apetecia. Presencialmente, não o fariam de forma tão despudorada. Pensei que seria uma questão de tempo até a interiorização de boas práticas de comunicação online se impor e a boa educação encontrar o seu lugar no ciberespaço.

 

Os anos passaram, surgiram as redes sociais, e o que hoje mais se faz é comentar. Tudo e todos, com certezas absolutas e autoridade na matéria. Até aí tudo bem, todos temos direito a ter opinião, apesar de muitas não virem acrescentar nada de útil.

 

O que acontece é que não se interiorizaram boas práticas de comunicação online, e nem a boa educação se transferiu do mundo físico para o digital. Muito pelo contrário! Noto uma crescente agressividade de quem está protegido atrás de um computador, telemóvel ou tablet.

 

E é estranho! Pelo menos eu convivo 99% do meu tempo com pessoas educadas, e insiro-me num mundo dito civilizado. Julgo que seja assim para a maioria de nós. Mas tudo muda quando vamos para as redes sociais. E esta percentagem parece não bater certo. É a absoluta selva, reino de má educação, injúria, agressão, violência verbal… E vamos espreitar um destes perfis e é um papá babado, com dois filhos pequenos e fofos, aparentemente bem-sucedido, que adora animais, passear com a sogra, and soo on… Mundos diferentes, comportamentos diferentes? Dois pesos e duas medidas? Hummm, parece-me bem que sim.

 

Mas agora conhecemos a identidade de todos. E é aqui que me espanto. Há uns anos, escondiam-se atrás de nicknames e eram anónimos. Ok, eram os cobardes. E agora? Só posso concluir que a boa educação se está a esvair, o respeito pelos outros a deteriorar-se. Talvez seja como o fenómeno dos carros. Dentro de um automóvel, há quem se ache rei da estrada, sente-se protegido. Mas nos carros são anónimos para nós. No Facebook, Instagram, etc, têm perfil. Sabemos o nome, idade, onde moram, relações que têm, amigos em comum…

 

Não se importam com a sua imagem virtual? De autênticos broncos? O que se passa na cabeça destas pessoas? Não acredito que falem assim quando discordam de alguém no mundo físico. É que estariam sujeitos a umas reações menos recomendáveis. Faz falta um botão “lambada” para dar a estes trogloditas da net.

Artigo anterior

FOLHADINHOS DE POLVO

Próximo artigo

Fotógrafa capta últimos “pés de lótus”