Home»FOTOS»Os perigos que se escondem nas águas cristalinas

Os perigos que se escondem nas águas cristalinas

Não há nada melhor do que um mergulho refrescante numa piscina, lago, ribeira, rio ou oceano. O mesmo acham as bactérias e parasitas que, microscopicamente, lhe podem estragar a diversão. Veja os cuidados a ter para evitar doenças.

Pinterest Google+
PUB

Com a época balnear ao rubro, aumenta a afluência às praias, piscinas e outros espaços onde se pode dar um mergulho refrescante. Porém, um perigo espreita bem escondido dentro da água cristalina, alerta um professor de doenças infeciosas americano.

 

As bactérias e parasitas podem espreitar em todos os tipos de água e colocar um travão na diversão do verão, a menos que as pessoas tomem algumas medidas simples. «Um dos piores locais é a piscina infantil», alerta Christopher Ohl, também diretor médico de doenças transmissíveis no Departamento de Saúde do Condado de Forsyth.

 

O especialista continua: «Água morna, rasa e crianças em fraldas – que não conseguem ainda conter as fezes – podem criar um caldo de cultivo perfeito para infeções transmitidas pela água, mesmo que a água tenha cloro. A melhor maneira de evitar que as crianças pequenas fiquem doentes é evitar que elas engulam essa água».

 

Mas não apenas estes os perigos. As bactérias, os parasitas e alguns animais podem representar um perigo muito sério para a saúde. Assim sendo, e como mais vale prevenir do que remediar, não se esqueça de seguir algumas medidas preventivas, que servem para miúdos e graúdos.

 

Medidas preventivas

  • Se o seu filho teve algum tipo de doença gastrointestinal, deve mante-lo longe das piscinas e parques aquáticos durante alguns dias, para evitar a contaminação da água.

 

  • Grite à vontade e bem alto nos parques aquáticos, mas nunca, mesmo nunca engula a água e diga aos seus filhos para fazer o mesmo

 

  • Lagos e riachos de água doce podem abrigar, uma bactéria excretada na urina de mamíferos que bebam dessa água. A infeção pode causar febre com dor de cabeça ou dores musculares, mas geralmente pode ser tratada, explica Ohl. Para evitar, simplesmente não engula a água.
  • Nunca beba água não tratada na natureza, mesmo que pareça fresca e pura. Lembre-se de que os animais selvagens bebem de fontes e riachos e, em seguida, muitas vezes respondem à chamada da natureza no mesmo lugar.

 

  • Para evitar contrair Naegleria, uma ameba rara, mas mortal, que é quase impossível de tratar, não salte para uma lagoa quente e estagnada, especialmente durante um dia muito seco. De acordo com Ohl, tal pode empurrar a água para o topo do nariz, onde há uma placa de osso com pequenos buracos pela qual a ameba pode rastejar para entrar no cérebro.

 

  • A água salgada apresenta menos problemas em relação a infeções de bactérias e parasitas, mas os nadadores devem ficar fora da água se tiverem um corte ou ferida que possa infetar.

 

  • Fique longe de alforrecas. «Muitas pessoas não sabem que os tentáculos e alforrecas, especialmente na caravela portuguesa, podem atingir 10 a 15 metros. Por isso, mantenha uma distância segura», alerta o especialista em doenças infeciosas.

 

 

VEJA TAMBÉM: 

HÁ 53 PRAIAS EM PORTUGAL COM ZERO POLUIÇÃO

MAIORIA DAS PRAIAS EUROPEIAS COM ELEVADA QUALIDADE DE ÁGUA

CASCATAS, LAGOAS E PRAIAS FLUVIAIS: TERRAS DE BOURO APOSTAM NA RAIA TERMAL DO GERÊS

 

Artigo anterior

Corpo e mente: como emagrecer segundo a medicina tradicional chinesa

Próximo artigo

Verrugas genitais: o que são e quais as causas?