Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Os cursos de culinária de Jamie Oliver resultam, diz estudo

Os cursos de culinária de Jamie Oliver resultam, diz estudo

Oliver iniciou a saga de cursos de culinária em 2008 com o intuito de inspirar a nação a preparar refeições saborosas e nutritivas, independentemente do orçamento.

Pinterest Google+

Investigadores da Universidade de Leeds, Inglaterra, descobriram que os participantes do curso de oito semanas de Jamie Oliver revelaram melhorias significativas nos seus hábitos alimentares.

 

‘Ministry of Food’, designação dos cursos do chefe de cozinha britânico, teve grande impacto na vida dos participantes, pois aumentou consideravelmente a ingestão de fruta e de legumes, reduziu pela metade a quantidade de lanches consumidos e, acima de tudo, tornou-os mais confiantes.

 

Veja a galeria: Pense duas vezes antes de beber um refrigerante

 

Em declarações  ao ‘Cambridge Journals Blog’, Jamie Oliver explica que o “‘Ministry of Food’  foi sempre sobre dar poder às pessoas e dar-lhes o conhecimento e a confiança necessários para se alimentarem e às suas famílias de uma forma melhor».

 

Segundo Janet Cade, investigadora e professora de Epidemiologia Nutricional, estas mudanças positivas surgiram imediatamente após o fim do curso e aumentaram significativamente passados seis meses.

 

O estudo, publicado na revista ‘Public Health Nutrition’, levou os investigadores a entrevistarem quase 800 pessoas que participaram nos cursos ‘Ministry of Food’, em Leeds, entre 2010 e 2014. Com isto, foi possível detetar um aumento do consumo médio de fruta e vegetais de 2,7 antes do programa para 3,4 depois do programa.

 

Veja a galeria: Alimentos ricos em açúcar (e que talvez desconheça)

 

Seis meses depois, 500 participantes foram entrevistados e o número médio de porções de fruta e vegetais consumidos aumentou para 4,1. Por outro lado, a quantidade de lanches ingeridos decresceu de 2 para 1.7, imediatamente após o cursos e, após seis meses, para 1,1.

 

Os participantes também relataram um aumento significativo nos níveis de confiança a cozinhar. De uma pontuação de 2,7 na escala (onde 0 foi marcado como ‘nada confiante’ e 5 ‘muito confiante’) antes do curso, subiu para 4,1 logo após o seu fim e para 4,4 seis meses depois.

 

Artigo anterior

A alimentação convencional versus a alimentação equilibrada

Próximo artigo

Modelos brasileiras preparam-se para os Jogos Olímpicos 2016