Home»VIDA»DIREITOS HUMANOS»ONU: 25% das mulheres a partir dos 15 anos são vítimas de violência de género

ONU: 25% das mulheres a partir dos 15 anos são vítimas de violência de género

Novos dados da Organização Mundial de Saúde indicam que as agressões estão a ocorrer cada vez mais cedo. No mundo, um terço das mulheres já sofreu violência física ou sexual perpetrada pelo parceiro ou alguém próximo.

Pinterest Google+
PUB

A violência contra meninas e mulheres está a ocorrer cada vez mais cedo, com 25% das mulheres a partir dos de 15 a serem vítimas de violência de género, assinala um novo estudo da Organização Mundial da Saúde.

 

O relatório “Estimativas Globais, Regionais e Nacionais sobre Violência de Parceiros Próximos a Mulheres e Estimativas Globais e Regionais de Violência Sexual advinda de Não-Parceiros” assinala também que, ao longo da vida, 1 em cada 3 mulheres, cerca de 736 milhões, é submetida a violência física ou sexual por um parceiro íntimo ou a violência sexual por um não parceiro, número este que permaneceu praticamente inalterado na última década.

 

«A violência contra as mulheres é endémica em todos os países e culturas, causando danos a milhões de mulheres e às suas famílias, tendo sido agravada pela pandemia da COVID-19», diz Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. «Mas, ao contrário da COVID-19, a violência contra as mulheres não pode ser interrompida com uma vacina. Só podemos lutar contra isso com esforços sustentados e enraizados – por governos, comunidades e indivíduos – para mudar atitudes prejudiciais, melhorar o acesso a oportunidades e serviços para mulheres e meninas e promover relacionamentos saudáveis ​​e respeito mútuo».

 

VEJA TAMBÉM: MARIA MANUEL LEITÃO MARQUES: «PRECISAMOS DE CONTINUAR A LUTAR PELOS DIREITOS DAS MULHERES SE NÃO QUEREMOS ESPERAR 60 ANOS PELA IGUALDADE PLENA»

 

A violência praticada pelo parceiro íntimo é de longe a forma de violência mais prevalente contra as mulheres em todo o mundo (afetando cerca de 641 milhões). No entanto, 6% das mulheres em todo o mundo relatam ter sido abusadas sexualmente por alguém que não seja seu marido ou parceiro.

 

O relatório, apresentado a 9 de março, mostra dados do maior estudo já feito sobre a prevalência da violência contra as mulheres, realizado pela OMS em nome de um grupo de trabalho especial das Nações Unidas. Com base em dados de 2000 a 2018, atualiza estimativas anteriores divulgadas em 2013.

 

Embora os números revelem taxas já alarmantes de violência contra mulheres e meninas, eles não refletem o impacto contínuo da pandemia COVID-19, que aumentou ainda mais a exposição das mulheres à violência, como resultado dos bloqueios e interrupções de serviços de apoio vital.

 

VEJA TAMBÉM: DAVID SASSOLI: «PANDEMIA AUMENTOU DESIGUALDADES E PODE TER DESTRUÍDO DÉCADAS DE CONQUISTAS DOS DIREITOS DAS MULHERES»

 

«É profundamente perturbador que esta violência generalizada por homens contra mulheres não apenas persista inalterada, mas seja pior para as mulheres jovens de 15 a 24 anos que também podem ser mães jovens. E essa era a situação antes da pandemia. Sabemos que os múltiplos impactos da COVID-19 desencadearam uma “pandemia sombria” de aumento da violência relatada de todos os tipos contra mulheres e meninas», disse a diretora executiva da ONU Mulheres, Phumzile Mlambo-Ngcuka. «Cada governo deve tomar medidas fortes e proativas para lidar com isto», acrescentou.

 

Embora muitos países tenham visto um aumento nas denúncias de violência por parceiro íntimo para linhas de apoio, polícia, profissionais de saúde, professores e outros prestadores de serviços durante os bloqueios, o impacto total da pandemia na prevalência só será estabelecido quando as pesquisas forem retomadas, observa o relatório.

Artigo anterior

Temperaturas mistas mostram novos padrões climáticos

Próximo artigo

Os químicos que deve evitar em desodorizantes