Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»OMS é contra o tabaco no cinema

OMS é contra o tabaco no cinema

Dá para imaginar Mia Wallace sem o seu cigarro habitual ou Audrey Hepburn sem o seu mítico e longo cigarro bocal? No mundo da sétima arte, o cigarro já representa um status e mostra-se como um elemento necessário para a construção da personagem. Será mesmo?

Pinterest Google+
PUB

 

«Os filmes oferecem à industria do tabaco a oportunidade de transformar um produto mortal num símbolo de status», defende o estúdio. Ou seja, os cigarros de Humphrey Bogart, no ‘Casablanca’, ou de Audrey Hepburn, no ‘Boneca de Luxo’, encerram ao mesmo tempo uma lenda e o perigo, segundo a OMS.

 

Peruga relembra que estas medidas da organização não são «proibições», mas «recomendações» e que não pretendem afetar as obras que já estrearam, mas aquelas que virão. Cita exemplos positivos dirigidos ao público infantil e a iniciativa indiana de incluir anúncios sobre as consequências do aparecimento do cigarro na projeção dos filmes.

 

Veja a galeria: Famosos de cera 

 

 

Será que estas medidas podem afetar a criatividade dos realizadores? Peruga nega que as ideias da OMS possam afetar a liberdade artística ou que estimulem os produtores a excluir os cigarros dos seus filmes.  «Isso será um problema da responsabilidade do realizador, se quiser exercer uma censura artística em função do seu interesse económico», defende. O certo é que as associações de fumadores já acusaram a organização de ‘tentativa de censura’.

Artigo anterior

Taylor Swift lança o seu próprio jogo de telemóvel

Próximo artigo

Consumo de soja aumenta fertilidade