Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»OMS é contra o tabaco no cinema

OMS é contra o tabaco no cinema

Dá para imaginar Mia Wallace sem o seu cigarro habitual ou Audrey Hepburn sem o seu mítico e longo cigarro bocal? No mundo da sétima arte, o cigarro já representa um status e mostra-se como um elemento necessário para a construção da personagem. Será mesmo?

Pinterest Google+
PUB

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou um estudo, nesta segunda-feira, com várias propostas que visam o contrabalanço da influência que as personagens de cinema, fumadoras, exercem sobre os adolescentes.

 

«O consumo de tabaco está a matar cerca de seis milhões de pessoas por ano. Não estamos a falar de um problema menor, mas prioritário. Os filmes são uma das últimas fronteiras que tentam aproveitar a indústria para boicotar a crescente dificuldade de usar outros caminhos para a sua promoção», afirma Armando Peruga, responsável pela iniciativa Tobacco-Free da OMS, ao ‘El País’.

 

Este é um assunto que já foi lamentado em 2009, mas, perante as circunstâncias, a organização volta a focar-se no caso. Devido à fraca adesão após o alerta, a organização propõe quatro medidas: que os filmes com cigarros passem a ser ‘não recomendados’ para menores; o desaparecimentos de marcas de cigarro na tela; anúncios anti-tabaco antes da projeção do filme e uma nota nos créditos que deixe claro que o filme não foi financiado pela indústria do tabaco, como ocorreu inúmeras vezes, em Hollywood, até aos anos 50.

 

 

Veja a galeria: Estrelas apanhadas na rede

 

 

Ao longo das 54 páginas que perfazem o relatório ‘Smoke-free movies’ (‘Filmes livros de tabaco’ em português), os especialistas da OMS citam estudos realizados nos quatro cantos do planeta como prova das consequências negativas dos fumadores no ecrã e apontam para Hollywood como alvo principal. Entre outros dados, o documento afirma que 59% dos filmes que obtiveram muito sucesso nas bilheteiras, exibidos nos Estados Unidos, entre 2002 e 2014, continham imagens de cigarros e que 37% dos adolescentes do país que começaram a fumar foram influenciados pelo cinema.

 

A organização relembra o ‘artigo 13 da Convenção sobre o Controlo do Tabaco’, que convida os 180 países assinantes a realizar uma «proibição completa de anúncios, promoção e patrocínios» relacionados com o tabaco.

Artigo anterior

Taylor Swift lança o seu próprio jogo de telemóvel

Próximo artigo

Consumo de soja aumenta fertilidade