Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»OMS: Casos de demência podem triplicar em 30 anos

OMS: Casos de demência podem triplicar em 30 anos

152 milhões de pessoas podem sofrer de demência em 2050 segundo o mais recente estudo da Organização Mundial de Saúde.

Pinterest Google+
PUB

O mais recente estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS) revela que o número de população que sofre de demência deverá aumentar exponencialmente em 30 anos. Prevê-se que os atuais 50 milhões de doentes passem a 152 milhões até 2050, uma tendência que acompanha o gradual envelhecimento da população mundial.

 

No sentido de travar estes resultados, a OMS lançou hoje o Observatório Global de Demências (Global Dementia Observatory), uma plataforma que tem como objetivo partilhar dados sobre a doença juntos dos Estados Membros, de modo consciencializa-los para a criação de políticas que fortaleçam sistemas de saúde e de assistência social que ajudam pessoas com demência e os seus cuidadores.

 

VEJA TAMBÉM: FISIOTERAPIA NA DEMÊNCIA: 5 EXERCÍCIOS PRÁTICOS PARA MANTER AS FUNÇÕES MOTORAS

 

De acordo com Joaquim Cerejeira, diretor clínico da Unidade Psiquiátrica Privada de Coimbra, «é preciso apostar na prevenção da demência, com o recurso à diminuição dos fatores de risco como tabagismo, isolamento social e inatividade física, mas também promover a estimulação cognitiva e outras atividades que permitam exercitar o cérebro das pessoas».

 

A demência é o termo utilizado para descrever os sintomas de um grupo alargado de doenças que causam um declínio progressivo no funcionamento da pessoa. A Doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência, constituindo cerca de 50% a 70% de todos os casos.

 

Os sintomas iniciais de demência incluem perda de memória frequente e progressiva; confusão; alterações da personalidade; apatia e isolamento; e perda de capacidade para a execução das tarefas diárias. Com o agravamento da doença verifica-se agitação, comportamento motor aberrante, ansiedade, exaltação, irritabilidade, depressão, delírios, alucinações e alterações do sono ou do apetite.

 

 

Artigo anterior

Afinal, comer queijo todos os dias até faz bem à saúde

Próximo artigo

Óbidos: 1800 presépios em exposição nas Gaeiras