Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Obrigada, Professor!

Obrigada, Professor!

Esta semana, as redes sociais permitiram-me o reencontro com dois professores que marcaram a minha personalidade. Com base neste reencontro decidi refletir sobre a importância do professor na nossa vida.

Pinterest Google+
PUB

Não sei o que são maus professores. Uns dirão que tive sorte, outros que é a realidade. Mas, de facto, não sei mesmo o que são. Ao longo da minha vida académica e profissional tive o privilégio de privar com pessoas notáveis, apaixonadas pelas suas profissões e, mesmo em momentos mais complexos, não perdiam o sorriso e a vontade de fazer mais e melhor. Com algumas lamentações pelo meio, faz parte, dias mais difíceis, no final, o que reinava era o gosto em ensinar.

 

A esta altura dirão que tenho uma visão cor de rosa dos professores, eu digo que é apenas a realidade. Ser professor é duro, complexo e desgastante. Falo com conhecimento de causa. No entanto, é uma das profissões mais gratificantes e uma das mais importantes no processo de estruturação da nossa personalidade, do que somos e das escolhas que fazemos. Com segurança e confiança posso assegurar que, na vida de cada estudante bem-sucedido, houve decerto pelo menos um bom professor.

 

Ser professor é mais do que um simples emprego, é uma responsabilidade diária. É ser exemplo sempre…é não poder errar porque haverá um conjunto de pessoas autopticamente a “apontar o dedo”, é abdicar das festas dos filhos, para estar nas dos nossos, é exercitar diariamente a sua criatividade, paciência e competências de comunicação, é ser ouvinte dos problemas e dificuldades das crianças e dos jovens…

 

Acredito que o faz com carinho pois sabe que a sua influência poderá perdurar no tempo, até à idade adulta dos “seus” alunos.

Mas a sociedade vê isso?

Reconhecemos todos os dias a importância dos professores nas nossas vidas e na dos que os rodeiam? Ou simplesmente ligamos o “achómetro” e achamos coisas sobre o que devem e não devem fazer e censuramos o seu comportamento.

Praticando a empatia, temos a capacidade de nos colocar no lugar dos professores e perceber o quanto o seu papel mudou? Como alunos, como encarregados de educação reconhecemos o seu papel e a dificuldade de implementação?

 

Percebemos o esforço diário de mudança?

A sociedade atual coloca todos os dias novos desafios à educação, exigindo que a escola e seus intervenientes, se vão reconfigurando para responder às exigências dos nossos tempos, tempos esses que são de imprevisibilidade e mudanças constantes.

 

Entendemos a complexidade do seu trabalho?

Imaginem, num cenário otimista, 25 alunos numa sala, todos com personalidades diferentes, com níveis de conhecimentos diferentes, com motivações díspares, com histórias familiares únicas e um professor para ensinar a todos o mesmo… pedimos ainda que tenha atenção à relação pedagógica, que elogie, que motive, tudo isto num curto espaço de tempo… Que tarefa difícil…

 

Recordo uma frase que tantas vezes já ouvi os pais verbalizarem e provavelmente até eu já disse, “não o/a posso aturar, está impossível, imaginem “aturar” 25. Hoje convido à reflexão sobre a importância dos professores e a praticar a gratidão e a agradecer pelo seu papel nas nossas vidas. Sendo exemplo, obrigada professora Lídia Soares e professor João Santos por me ajudarem a ser o que sou e por me permitirem esta reflexão…

 

Obrigada também a todos os outros professores que passaram pela minha vida e deixaram a sua marca e me ensinaram, tal como diz o poeta Miguel Torga, “de nenhum fruto querer só metade”.

 

 

Artigo anterior

Jovens talentos apresentam tendências do design nacional em Frankfurt

Próximo artigo

Feira Ambiente mostra tendências mundiais em decoração