Home»VIDA»CASA & FAMÍLIA»O seu filho pergunta sobre a guerra? Psicólogo explica como responder

O seu filho pergunta sobre a guerra? Psicólogo explica como responder

As crianças podem estar a sentir-se confusas e assustadas com a recente invasão da Rússia à Ucrânia. Tais sentimentos são normais, mas dar apoio e o tipo certo de informação pode ajudá-las a sentirem-se mais seguras.

Pinterest Google+
PUB

De acordo com Christopher Lynch, psicólogo e diretor de Medicina Comportamental Pediátrica do Hospital Infantil Goryeb, EUA, «as crianças beneficiam se lhes forem dadas explicações honestas sobre o que está a acontecer, mas essas explicações devem ser adaptadas à idade e ao nível de desenvolvimento da criança».

 

Assim, o psicólogo oferece algumas diretrizes gerais a serem seguidas ao conversar com os filhos sobre a invasão em andamento:

 

VEJA TAMBÉM: COMO EDUCAR UM FILHO SEM DESAUTORIZAR O PARCEIRO

 

Seja honesto com os factos

As crianças percebem muitas vezes que os pais não lhes estão a dar todos os detalhes importantes. Se não lhes der os factos, eles podem imaginar a situação de forma imprecisa e pensar que a sua própria segurança está em risco.

 

Forneça informações apropriadas para a idade

Seja honesto com os seus filhos, mas use palavras e conceitos que eles possam entender. Pedir ao seu filho para repetir o que ouviu dizer pode ajudar a identificar qualquer necessidade de esclarecimento.

Assegure ao seu filho que está seguro

As crianças precisam de saber que os adultos à sua volta controlam a situação e sabem o que fazer para as manter seguras. No caso deste conflito, as crianças podem precisar de entender que a invasão está longe e que estão protegidas.

 

Ajude quem precisa conforme puder

As crianças podem sentir mais controlo sobre uma situação se puderem ajudar de alguma forma. O seu filho pode querer doar itens, ou parte da sua mesada, talvez queira fazer um cartão ou um desenho para crianças ucranianas. Qualquer um desses gestos ensinará compaixão aos seus filhos e  ajudá-los-á a fazer a diferença.

 

Monitorize a exposição aos meios de comunicação

Existem muitas imagens perturbadoras que estão a ser exibidas através da televisão e nas redes sociais. Estas podem ser difíceis de processar. Esclareça dúvidas e limite o acesso quando necessário.

 

Todos, incluindo as crianças, têm consciência do que está a acontecer. O psicólogo recomenda que os pais promovam um diálogo com os seus filhos para avaliarem os seus pensamentos e sentimentos sobre o assunto. «Conversar com os seus filhos sobre a invasão mostra-lhes que não há problema nenhum em falar sobre sentimentos difíceis e que estão lá para os ajudar».

 

Artigo anterior

Folhadinhos de polvo

Próximo artigo

Colónias de gatos devem ser controladas para não afetarem populações de aves nas cidades