Home»BEM-ESTAR»SAÚDE»O que fazer a medicamentos fora de prazo ou desnecessários?

O que fazer a medicamentos fora de prazo ou desnecessários?

Embora os resíduos de medicamentos representem uma pequena percentagem da totalidade dos resíduos produzidos em Portugal, a existência de um sistema de recolha de embalagens e de medicamentos fora de uso é de uma grande importância. Saiba o que fazer com estes resíduos e o tratamento que lhes é dado.

Pinterest Google+

A natureza química dos medicamentos ou dos seus restos e, por conseguinte, os danos que podem vir a causar no ambiente, se forem deitados no lixo comum e ecopontos ou despejados através dos esgotos, justificam que a sua entrega seja realizada num local protegido para serem encaminhados para tratamento adequado.

 

Além disso, conservar medicamentos fora de uso pode levar à automedicação indevida e acarreta outros riscos, como intoxicações acidentais, principalmente se estiverem guardados em locais de fácil acesso a crianças. Refira-se que uma percentagem muito elevada dos agentes envolvidos em intoxicações está relacionada com medicamentos, sendo que, representam quase 60% e metade acontecem com crianças.

 

VEJA TAMBÉM: ANTIBIÓTICOS: CONSELHOS PARA UMA TOMA DE FORMA RESPONSÁVEL

 

O quê e onde entregar

Mas, afinal, o que deve ou não ser entregue? Devem ser entregues os medicamentos de uso humano, e também de uso veterinário, que foram aí adquiridos e que já não são necessários ou estão fora de prazo, bem como todos os materiais usados no acondicionamento e embalagem dos produtos adquiridos (cartonagens vazias, folhetos informativos, frascos, blisters, ampolas, bisnagas, etc.).

 

De igual modo, também os acessórios utilizados para facilitar a sua administração (colheres, copos, seringas doseadoras, conta gotas, cânulas, etc.) podem e devem ser entregues. Por outro lado, não podem ser entregues ou depositadas agulhas ou seringas, termómetros, aparelhos elétricos ou eletrónicos, gaze, material de penso e cirúrgico, produtos químicos, fraldas, radiografias, enfim, todos os resíduos que não estão abrangidos pela licença atribuída.

 

As farmácias comunitárias são o local onde podem ser entregues e depositados os resíduos de medicamentos fora de uso ou de prazo de validade, em contentores aí existentes, sendo que a quase totalidade das cerca de 2.900 licenciadas em Portugal continental e ilhas são aderentes ao sistema Valormed. Desta forma, com a recolha das embalagens vazias e medicamentos fora de uso ou de prazo, consegue retirar-se do lixo comum e dos ecopontos estes resíduos e evitar-se que sejam despejados restos através dos esgotos, enviando-se para reciclagem os materiais de embalagem e de acondicionamento (papel, cartão, plástico, vidro) e para incineração segura com valorização energética os restos de medicamentos.

 

VEJA TAMBÉM: CONSTIPAÇÃO, GRIPE OU ALERGIA?

 

Para onde vão os resíduos?

Uma vez cheios, os contentores de recolha são selados e entregues aos distribuidores de medicamentos que os transportam para as suas instalações e os retêm em contentores estanques. Estes contentores são depois transportados para um centro de triagem por um operador de gestão de resíduos.

 

No centro de triagem os resíduos são separados e classificados para, finalmente, serem entregues a gestores de resíduos autorizados responsáveis pelo seu tratamento:

– Reciclagem (papel, plástico, vidro, compósitas).

– Incineração segura com valorização energética dos restantes resíduos.

 

Caberá a cada um dos cidadãos, agora, a responsabilidade de agir. Não entregue ou deposite agulhas ou seringas, termómetros, aparelhos elétricos ou eletrónicos, gaze e material cirúrgico, produtos químicos, fraldas e radiografias (neste caso só devem ser entregues quando a AMI lança a sua campanha anual nas farmácias).

 

Por Luís Figueiredo

Diretor-geral da Valormed

 

Artigo anterior

Costuma fazer phubbing? Provavelmente todos os dias

Próximo artigo

Conheça tradições de Páscoa bem portuguesas