Home»VIDA»SOCIEDADE»O que fazer a equipamentos e pilhas em fim de vida?

O que fazer a equipamentos e pilhas em fim de vida?

No próximo dia 22 de abril, comemora-se o Dia da Terra. Um dia que deve ser comemorado todos os dias, pois a saúde do nosso planeta deve ser uma prioridade para todos nós. Saiba o que fazer quando tem resíduos especiais dos quais se quer desfazer.

Pinterest Google+

Existem resíduos que muitas vezes produzimos e que carecem de um encaminhamento e tratamento especial. Estes resíduos são compostos por substâncias nocivas para o ambiente e para a nossa saúde. Entre estas substâncias encontramos o mercúrio das lâmpadas, os gases CFC dos frigoríficos, o vidro com chumbo dos televisores antigos e ainda o níquel e cádmio presentes nas pilhas.

 

O que fazer quando tem um resíduo destes? É simples, gratuito e rápido: basta encontrar o Depositrão mais próximo e entregar os seus elétricos e eletrónicos que já não funcionam e as suas pilhas que já deram energia um dia.

 

Os Depositrões são contentores que estão disponíveis em lojas, escolas, espaços públicos e empresas que facilitam o comportamento por parte do consumidor, crucial para garantir que os resíduos chegam ao seu destino final.

 

VEJA TAMBÉM: O QUE OS OCEANOS REPRESENTAM PARA A VIDA NA TERRA

 
Para além do Depositrão, e quando se trata de equipamentos obsoletos de maior porte (frigoríficos ou máquinas de lavar, por exemplo), a forma mais fácil será proceder à troca do velho pelo novo, através das lojas onde compra os novos eletrodomésticos que, por sua vez, têm esta missão como canal de encaminhamento, igualmente gratuito. Aquando da entrega ao domicílio, o consumidor pode (e deve) e rentabilizar o canal de distribuição para encaminhar o equipamento velho equivalente.

 

As lojas estão preparadas, também, para aceitar resíduos de menores dimensões como lâmpadas, pequenos domésticos, equipamentos de natureza informática, entre outros. Quando de encaminhamento se fala, não podemos esquecer os centros de receção (vulgarmente conhecidos como “ecocentros”), aos quais nos podemos dirigir e entregar estes resíduos.

 

VEJA TAMBÉM: BUNKERS SÃO AGORA ESCONDERIJOS CONFORTÁVEIS E LUXUOSOS

 

Após a fase de encaminhamento, sem a qual o restante processo não acontece, segue-se a consolidação e triagem de resíduos, já que requerem diferentes modos de tratamento e reciclagem – a forma como se recicla uma lâmpada fluorescente é distinta da de uma máquina de lavar ou pequeno doméstico (varinha mágica, torradeira, secador de cabelo, robot de cozinha).

 

Nesta fase é possível, igualmente, separar as pilhas e baterias (brinquedos, portáteis, comandos, entre outros). Estes resíduos, embora complementares, serão alvo de outro tratamento. As matérias-primas obtidas são, maioritariamente, plásticos, vidro e metais (alumínio, cobre, ouro, prata), a introduzir na indústria para o fabrico de novos objetos.

 

Se repararmos, todos os dias nos cruzamos e utilizamos produtos que podem ser feitos destes materiais: mobiliário de jardim e peças utilitárias de plástico, materiais de construção (vidro e metais). Aceite o nosso desafio e descubra o Depositrão mais próximo! O nosso gesto no presente faz toda a diferença no futuro.

 

Por Filipa Moita

Responsável de comunicação e qualidade da ERP Portugal

Artigo anterior

Parlamento Europeu reforça regras para alimentos biológicos

Próximo artigo

Decoração: quarto para brincar e explorar