Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»O que acontece aos solos polares quando o gelo desaparece? Surgem líquenes, algas e musgos

O que acontece aos solos polares quando o gelo desaparece? Surgem líquenes, algas e musgos

Uma investigação do Museu Nacional de Ciências Naturais de Espanha, em colaboração com o Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra, mostra um aumento destas coberturas nas regiões polares. A investigação deixa claro que os ecossistemas polares estão a mudar a sua estrutura, desconhecendo-se para já as suas consequências.

Pinterest Google+
PUB

Quando, devido ao efeito das mudanças climáticas, o gelo derrete nas zonas polares, ocorre uma rápida colonização da superfície, sendo os primeiros sinais visíveis de mudança o aparecimento de coberturas criptogâmicas, estruturas formadas por líquenes, algas ou musgos. Estes elementos colonizam os solos que, após milhares de anos sob uma densa camada de gelo, ficam expostos, informa o Museu Nacional de Ciências Naturais de Espanha (MNCN-CSIC).

 

O desenvolvimento destas coberturas está a aumentar muito nas regiões polares. As mudanças que estão a ocorrer no solo foi o mote da investigadora do MNCN-CSIC, Asunción de los Ríos, para analisar, em conjunto com colegas do Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra (CFE), entre outras instituições, este fenómeno. O trabalho foi publicado na revista ‘Science of the Total Environment’.

 

As coberturas criptogâmicas, que cobrem grande parte da superfície terrestre, são os primeiros colonizadores visíveis no solo descongelado.  Após analisar solos das duas regiões polares, especificamente na Islândia e Ilha Livingston (Antártica marítima), os investigadores verificaram que os solos das áreas descongeladas com coberturas criptogâmicas são mais férteis e ganham em complexidade e diversidade. «As coberturas promovem o desenvolvimento do solo, fazem com que sejam mais ricos e tenham maior diversidade bacteriana, além de aumentar o seu potencial enzimático e as suas taxas de funcionamento», afirma a pesquisadora do MNCN. «Esse facto, que a priori pode parecer bom, confirma que o ecossistema está a mudar. Na verdade, deixa claro que os ecossistemas polares estão a mudar a sua estrutura, mas não sabemos que consequências isso pode ter a longo prazo», destaca Jorge Durán, pesquisador do Centro de Ecologia Funcional.

 

VEJA TAMBÉM: TEMPERATURAS MISTAS MOSTRAM NOVOS PADRÕES CLIMÁTICOS

 

As mudanças causadas pelo desenvolvimento de coberturas criptogâmicas variam dependendo da sua capacidade de modificar as características do solo. Neste estudo, os cientistas analisaram espaços onde predominam macroalgas, líquenes ou musgos e descobriram que diferentes tipos de coberturas criptogâmicas podem modificar o solo a velocidades e formas diferentes. Portanto, a pesquisa sugere que a magnitude das modificações nos solos polares, devido ao aumento esperado na extensão das coberturas criptogâmicas num contexto de mudança climática, dependerá em grande parte de qual tipo de criptograma é capaz de prosperar melhor sob o novo ambiente.

 

O MNCN informa que, além de líquenes e musgos, as coberturas criptogâmicas podem conter microorganismos como bactérias, cianobactérias, algas e fungos. Grande parte da superfície da Terra, incluindo solos e rochas, é coberta por essas estruturas. A sua relevância nas áreas polares deve-se ao facto de que, além de serem as primeiras a ocupar os solos diante do recuo do gelo, favorecem o desenvolvimento de outras comunidades mais complexas.

 

«A cobertura criptogâmica é a colonização anterior que mais tarde dará lugar ao surgimento de plantas superiores e, com este estudo, ajudamos a entender como ela facilita o desenvolvimento do solo. Por exemplo, no estudo fornecemos informações sobre como a diversidade microbiana ou os fluxos de gases de efeito estufa mudam entre o solo e a atmosfera quando o solo é colonizado por diferentes tipos de cobertura criptogâmica», esclarece Durán. «A extensão das áreas degeladas pelo efeito das mudanças climáticas está a aumentar em muitas áreas do planeta, por isso precisamos de conhecer a dinâmica de colonização dessas áreas e o papel que as coberturas criptogâmicas desempenham na sucessão biológica que segue o declínio das zonas geladas», conclui de los Rios.

 

 

Artigo anterior

Limpezas de primavera: o que não pode esquecer

Próximo artigo

Uma em cada cinco crianças no mundo não tem água suficiente para necessidades diárias