Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»O poder da hortelã e do hibisco no seu bem-estar

O poder da hortelã e do hibisco no seu bem-estar

A hortelã tem uma fantástica ação no aparelho digestivo, pelo seu poder de proteção, regeneração e desintoxicação. Descubra o poder desta planta, mas também de outras com letra H, como o hibisco e a hera.

Pinterest Google+
PUB

As plantas são há mais de 7000 mil anos a mais antiga medicina utilizada pelo ser humano. Todos os seres vivos são formados por uma ou mais células agrupadas. Cada célula é uma unidade de vida. As células que constituem os vegetais diferenciam-se das animais, por estarem rodeadas de uma espessa membrana de celulose que as envolve, por conter cloroplastos cheios de clorofila.

 

A molécula de clorofila é muito similar à molécula da hemoglobina que é uma proteína presente no sangue e responsável por transportar o oxigénio, levando-o dos pulmões aos tecidos de todo o corpo. A principal diferença está no centro da molécula, enquanto a clorofila possui magnésio a hemoglobina possui ferro.

 

A clorofila tem propriedade de antioxidante, que resulta no fortalecimento e proteção das células de defesa do corpo humano (os linfócitos). E pode até ser capaz de reduzir inflamações, além de combater radicais livres que causam doenças degenerativas. Quem se consulta comigo sabe que em todos os planos alimentares que elaboro incluo a hortelã pela sua fantástica ação no aparelho digestivo, bem como outras plantas, pelo seu poder de proteção, regeneração e desintoxicação.

 

VEJA TAMBÉM: BOA DIGESTÃO E NÃO SÓ: DESCUBRA OS INÚMEROS BENEFÍCIOS DO CHÁ DE MENTA

 

A ação “detox” é um dos mais poderosos benefícios da clorofila, porque é capaz de neutralizar os efeitos nocivos de substâncias como o tabaco e a contaminação crónica e aguda por ingredientes artificiais e químicos presentes em alimentos processados, além de muitos outros benefícios.

 

…«As plantas são o fundamento de alguns sistemas médicos tradicionais muito elaborados, com milhares de anos de existência em países como a China e a Índia»… (Dr.Gordon M. Cragg) Instituto Nacional do Cancro- NCI dos E.U.A. De acordo com o Dr. Cragg, os produtos à base de plantas medicinais desempenham também uma importante função nos sistemas dos cuidados médicos de 20% do resto da população mundial, que reside principalmente em países desenvolvidos.

 

Afinal a indústria farmacêutica faz uso das plantas na elaboração de grande parte dos medicamentos. Um em cada quatro medicamentos fabricados contém extratos de plantas ou princípios ativos derivados de plantas superiores. O Instituto Nacional do Cancro nos Estados Unidos foi criado em 1972, com a missão de fomentar e coordenar as investigações relacionadas com o cancro, usando cerca de 100 000 mil extratos de plantas, demonstrando desta forma o valor das plantas como fonte de novos medicamentos.

 

Plantas medicinais com letra H

Hortelã, hibisco, hera terrestre, hamamélis, hipérico, hissopo, harpagófito, hidraste, hipericão, hipofaé.

Hortelã – existem muitas espécies desta planta.

Hipócrates já a recomendava como afrodisíaca, se tomada em grandes quantidades.

 

A hortelã-pimenta é uma das variedades mais poderosa, pois contém cerca de 3% de uma essência de composição muito complexa, com mais de cem componentes, entre os quais, o mentol, com propriedades digestivas, carminativas (elimina gases e putrefações do intestino).

 

É ainda antisséptica, analgésica, tonificante e afrodisíaca. A sua essência contém também alguns polifenóis de ação antiviral em presença do vírus da hepatite A. Para uso interno, é indicada para tratar gases intestinais, dispepsias, cefaleias e enxaquecas, espasmos e cólicas digestivas, atonia gástrica e esgotamento físico. Externamente o seu óleo pode ser aplicado para tratar dores reumáticas e musculares, nevralgias hematomas e enxaquecas.

 

Infusão: 10 a 20 gr de folhas, para 1 litro de água, tomar 3 vezes ao dia.

Óleo: aplicar 2 a 3 gotas na região a tratar e friccionar, 3 vezes ao dia.

Planta fresca: as folhas podem ser trituradas em sumos e batidos, conferindo um sabor fresco e agradável.

Também pode ser adicionada em vários pratos cozinhados conferindo-lhes um sabor exótico.

 

Hibisco – é uma planta bonita que tonifica e refresca, muito utilizada no tratamento do sistema digestivo. As flores desta planta contêm ácido málico, cítrico e tartárico, o qual lhe confere propriedades digestivas e tonificantes do sistema digestivo, além de atuarem também como um ligeiro laxante, que é emoliente sobre a mucosa do tubo digestivo, facilitando a eliminação de fezes. Estas flores são ainda diuréticas, sendo frequentemente usado o seu chá para redução de peso e também para pessoas com problemas cardíacos.

Hamamélis – é uma das plantas mais eficaz no tratamento do sistema circulatório, pois ela estimula a circulação (veias) e tonifica a pele. As folhas e a casca desta árvore contêm vários tipos de taninos, como os hamamelitaninos, bem como flavonoides e saponinas.

 

Com propriedades tónicas do sistema venoso, é excelente no tratamento de flebites, pernas pesadas e hemorroidas, porque a sua ação medicinal contrai as paredes das veias e ativa a circulação sanguínea no seu interior.

 

Pode preparar uma infusão com 30 gr de folhas ou casca para 1 litro de água e tomar duas vezes ao dia. Se preferir pode também utilizar uma aplicação em compressas com a infusão, aplicadas diretamente na zona a tratar.

 

Hera terrestre – é utilizada como planta medicinal desde a idade média, porque tem uma ação muito abrangente sobre o sistema respiratório, por ser expetorante, peitoral e vulnerária, (medicamento que cura feridas e úlceras).

 

O seu uso por via interna é aconselhado para tratar catarros e bronquite crónica, para facilitar a expulsão de secreções e descongestionar o trato respiratório, sobretudo em asma brônquica. Pode também usar estas folhas como sumo fresco, tomado 2 vezes ao dia.

 

O uso adequado das plantas medicinais, juntamente com outros hábitos de vida saudável podem impedir que se instalem debilidades no nosso organismo que de outra forma possam transformar-se em doença. Ao prevenirmos a saúde, estamos a melhorar a sustentabilidade do planeta e da nossa própria vida.

Artigo anterior

Campanha alerta para desvalorização e estigmatização da depressão

Próximo artigo

Carros podem atingir temperaturas mortais em apenas uma hora