Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»O mito da desmotivação

O mito da desmotivação

Ninguém está, muito menos é, realmente desmotivad@. Cada pessoa já está motivada. Não acreditas? E se te mostrasse que realmente assim acontece? Ficarias motivad@ para ler este texto?

Pinterest Google+
PUB

Primeiro vamos esclarecer que uma pessoa pode sentir-se mais ou menos motivada, ou sentir-se mais ou menos desmotivada. A motivação é o impulso interior, o motivo para a ou por trás da ação. Como cada pessoa está a fazer alguma ação, a todo o momento, então a pessoa está motivada. Para a ação que está a fazer.

 

Mesmo que esteja imóvel (motivada para ficar quieta), muda (motivada para estar sem falar), sem reação a algum estímulo (motivada para estar sem reagir). Isto, claro, desconsiderando circunstâncias específicas na sua biologia, bioquímica e/ou sinapses que limitem a ação e reação da pessoa.

 

Quando uma pessoa diz estar sem motivação, ou que lhe falta motivação, ela estará a falar de não sentir motivação para uma ação específica. Por exemplo: “Não tenho motivação para fazer exercício fora de casa”. Enquanto isto a pessoa pode estar em casa, sentada no sofá a ver televisão ou no computador a navegar na internet. Neste caso, ela está mais motivada para estas ações do que para fazer exercício. Mas está motivada.

 

VEJA TAMBÉM: ESTRATÉGIAS PARA ACABAR COM A DESMOTIVAÇÃO NO TRABALHO

 

A desmotivação

Desmotivação traduz-se pela perda de interesse e de entusiasmo para fazer algo – p.ex., estudar ou trabalhar. A pessoa fica, ou vai ficando, com menos vontade para fazer uma determinada ação. Nesse processo, vai sentindo-se desmotivada ou a perder motivação. Outra forma de ver e dizer seria: fica com mais motivação para não fazer ou parar de fazer uma ação.

 

O que leva uma pessoa a sentir-se mais motivad@ para não fazer algo? Mesmo sendo algo que ela decidiu fazer; que já desejou muito; que já esteve motivada para fazer; ou pelo qual já se sentiu interessada e entusiasmada. Todas as pessoas estão motivadas para o que estão a fazer no momento. Mesmo que não gostem, preferissem ou queiram fazer outra coisa.

 

Dentro de cada pessoa teremos uma espécie de “balança” pendular. Como a da figura feminina da Justiça, mas neste caso é da Motivação. Nesta balança, entre o fazer ou não fazer algo, entram os “pesos” do que se ganha, do que se perde, do que se deixa de ganhar, do que se deixa de perder, dos custos, do valor percebido, etc.

 

Quando trabalho a ajudar pessoas individualmente, ou coletivamente numa organização, descobrimos e aprofundamos o que está envolvido especificamente na balança única que cada um@ tem.

 

Também podemos trabalhar o sentir motivação de formas simples, inconscientes e, bastantes vezes, muito mais poderosas! Se te fizer sentido, contata-me para isto.

 

E cada pessoa pode fazer algo para se sentir mais motivada. No teu caso, tens sentido motivação para fazer o quê? Ou, simplesmente, o que estás a fazer? O que tens feito? O que tens feito é a resposta à primeira pergunta. 😉

 

Gostarias de te sentir mais motivad@ para fazer o quê? O que teria de mudar na ação, no resultado desta, ou no impacto deste resultado em ti, para te sentires mais motivad@? O que terias de deixar de fazer para te sentires mais motivad@?

 

Achaste este texto interessante ou útil? Acompanha aqui e nas minhas redes sociais. Conheces alguém que gostaria de ler este artigo? Partilha com essa pessoa. Obrigado.

 

Artigo anterior

Bicicletada em Lisboa contra o Tratado da Carta da Energia

Próximo artigo

Verão e alimentação: as melhores escolhas de manhã à noite