Home»GLAMOUR»MODA»O fenómeno dos vloguers

O fenómeno dos vloguers

Depois das revistas, dos sites interativos e dos blogues, há um novo reinado no mundo dos media de moda: os vlogues do YouTube. E uma lusodescendente lidera esta nova tendência.

Pinterest Google+
PUB

De forma geral, podemos definir um vloguer como um produtor de um vídeo pessoal para a internet. É uma forma de diário pessoal online que surgiu depois do blogue, na sequência de várias revistas online e sites começarem a produzir os seus próprios conteúdos de vídeo. Agora, tal como aconteceu no tempo do boom dos blogues, os vlogues de maior sucesso começam a conquistar espaço no mercado e são reconhecidos como poderosas ferramentas de marketing e publicidade pelas marcas.

Falamos daqueles vloguers que têm milhões de seguidores nos seus canais de YouTube e que geram milhares de comentários a cada novo vídeo. A americana de ascendência mexicana e portuguesa Bethany Mota é a vbloguer de moda e beleza mais bem sucedida. O seu canal do YouTube Macbarbie07 tem quase oito milhões de subscritores. A jovem de apenas 19 anos já fez parcerias com algumas importantes marcas de moda como a  JCPenney e Forever 21 e, em dezembro de 2013, lançou a sua própria coleção de moda com a Aéropostale. Faz conferências para interagir com os fãs e prevê-se um futuro brilhante como empreendedora. A sua popularidade cresceu ao participar como júri no programa ‘Project Runway’ e ao participar na versão americana do reality show ‘Dança Com as Estrelas’.

Alfie Deyes, vloguer do canal do YouTube Pointless Blog que tem mais de três milhões de subscritores é um caso de sucesso. O jovem inglês de 21 anos e os seus amigos fazem vídeos onde lançam desafios entre si. O projeto começou há seis anos atrás e hoje, depois de um livro e um programa semanal na BBC Radio 1, o jovem foi nomeado pela Yahoo! News como um dos ’12 empresários online mais experientes’ e já trabalhou com estrelas como Ariana Grande.

Numa entrevista recente, Deyes explicou que é importante desmistificar a ideia de que os vloguers publicam um vídeo e passam o resto do dia na praia: “A pressão é intensa porque na internet tudo acontece rapidamente e temos de estar sempre atentos.” Deyes disse ainda que a maioria dos vloggers de sucesso são jovens com formação universitária que simplesmente encontraram na internet uma forma de explorarem o que gostam de fazer.

No mundo da moda em particular, o fenómeno tem tido um crescimento impressionante. Zoe Sugg, conhecida por Zoella, tem mais de seis milhões de seguidores na internet. A jovem inglesa iniciou o seu vlog com 19 anos e, apenas cinco anos depois, é uma das mais influentes vloguers na área da beleza. Os seus vídeos com dicas de maquilhagem e beleza, vistos por milhões de pessoas e com milhares de partilhas e comentários, geram interesse nas marcas e elevaram a jovem a um novo nível. Zoella lançou recentemente o livro ‘Girl Online’ sobre a sua vida enquanto vlogger, que se tornou imediatamente um sucesso de vendas.

Outros casos vêm atestar a possibilidade de crescimento de carreira para estes jovens, que passam dos canais do YouTube para outras plataformas, como um site próprio ou até mesmo um programa ou rubrica em televisão. Isto já para não mencionar as infinitas possibilidades na área da publicidade, através de campanhas para marcas internacionais ou através da criação da sua própria marca. Zoella, por exemplo, lançou em setembro deste ano uma marca de cosméticos com o seu nome que tem tido ótimos resultados de vendas.

Dominic Smales, diretor da empresa Gleam Futures, que representa estrelas digitais como Alfie Deyes e Zoella disse em declarações ao ‘The Guardian’ que: “Os talentos das redes sociais são as novas celebridades. Isto é o resultado de uma mudança total na forma como esta geração consome entretenimento e seleciona as suas influências.”

Veja na galeria que se segue quem são as vloguers de moda mais influentes.

$$photo-gallery$$Por Joana de Sousa Costa
Artigo do parceiro:

Mood

Artigo anterior

Comer a sobremesa primeiro ajuda a emagrecer

Próximo artigo

Quatro mulheres assassinadas por mês em 2014