Home»VIDA»DIREITOS HUMANOS»Novo jogo ajuda a educar novas gerações para os direitos humanos

Novo jogo ajuda a educar novas gerações para os direitos humanos

A aplicação para telemóvel, Rights Arcade, pretende tornar a aprendizagem sobre direitos humanos mais acessível a todos.

Pinterest Google+
PUB

A Amnistia Internacional acaba de lançar uma nova aplicação que pretende educar a próxima geração de defensores de direitos humanos sobre os direitos à liberdade de expressão e reunião pacífica. Os jogos interativos de Rights Arcade servem para aumentar o conhecimento das temáticas de direitos humanos e encorajar as pessoas a tomar ação sobre estas matérias.

 

O Rights Arcade é projetado para fortalecer o movimento de direitos humanos por meio de educação para ações orientadas. Os jogos vão aumentar o conhecimento dos jogadores sobre direitos humanos e incentivar pessoas a tomarem medidas sobre estas questões, refere a organização no comunicado divulgado.

 

Uma das principais características do Rights Arcade é uma abordagem individualizada que permite que os jogadores aprendam, reflitam e ajam ao seu próprio ritmo enquanto navegam pelas histórias do jogo.

 

VEJA TAMBÉM: 73 ANOS DE DIREITOS HUMANOS. CONHECE OS SEUS DIREITOS?

 

“Este jogo foi projetado para capacitar e encorajar as pessoas em todos os lugares, mas especialmente os mais jovens, para aprenderem sobre os direitos humanos de uma forma envolvente”, diz Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional.

 

“Os jovens são fundamentais na definição da agenda dos direitos humanos, hoje e no futuro. Alcançando-os nos espaços que habitam, ou com os quais se envolvem regularmente, é fundamental para permitir que novas gerações de ativistas lutem e protejam os direitos humanos – agora e no futuro”.

 

Os jogadores fazem uma jornada de direitos humanos através das experiências de três pessoas da vida real: Ahmed Kabir Kishor, cartoonista acusado injustamente sob a Lei de Segurança Digital em Bangladesh; Zhang Zhan, uma jornalista cidadã condenada a quatro anos de prisão por reportar sobre o Covid-19 na China; e Panusaya Sithijirawattanakul, ativista estudantil que enfrenta mais de 25 acusações por protestar na Tailândia.

 

As histórias do jogo, que são experiências ficcionais inspiradas em eventos do mundo real, são conduzidas pelas escolhas do jogador.

 

 

Artigo anterior

Aprenda a fazer caldo de legumes

Próximo artigo

Cancro: 5 factos revelam estado da doença na Europa