Home»S-Vida»Novo desafio para o sistema educativo

Novo desafio para o sistema educativo

Com a situação atual é lançado um grande desafio no sistema educativo, já no início do terceiro período. Este desafio centra-se numa adaptação por parte dos professores e alunos a uma nova realidade, com a qual não estavam de todos familiarizados.

Pinterest Google+
PUB

Após ter sido decretado o fecho das escolas a 13 de março, professores, alunos e pais seguem um rumo um pouco incerto, uma vez que o segundo período terminava apenas no dia 27 de março.

 

Durante estas duas semanas os professores tentam acompanhar os seus alunos da melhor forma possível, os pais também tentam acompanhar os seus educandos o melhor que podem, fazendo ambos um esforço acrescido às suas rotinas. Depois desta data seguia-se o período das interrupções letivas sem perspetivas de quando iniciaria o terceiro período, no entanto os alunos não podem continuar sem aulas, mesmo que à distância.

 

É verdade que a Educação tem sofrido alterações ao longo dos tempos. Por exemplo, há muitos anos não havia fotocopiadoras. As aulas eram lecionadas apenas com recurso ao quadro de giz, mas as escolas foram acompanhando a evolução das tecnologias. Umas mais do que outras, no entanto seguiram o trilho da evolução tecnológica. Sem dúvida que devia ser um desafio acompanhar esta evolução da melhor forma, em prol da formação dos nossos alunos.

 

VEJA TAMBÉM: TOOLS4EDU: PROJETO AJUDA PROFESSORES E ALUNOS A REALIZAREM AULAS ONLINE

 

No entanto, com a situação atual é lançado um grande desafio no sistema educativo, já no início do terceiro período. Este desafio centra-se numa adaptação por parte dos professores e alunos a uma nova realidade, com a qual não estavam de todos familiarizados. Com ele surgem as incógnitas… que plataforma utilizar, qual a mais segura, qual a que permite utilizar da melhor forma os recursos educativos… Já para não falar nos pais, que também têm de adaptar-se, uma vez que muitos estão em casa, em teletrabalho, outros têm mais do que um filho a estudar, exigindo uma grande agilidade no que respeita ao uso das tecnologias.

 

Todavia, cada dia que passa traz-nos novidades, exigências e requer que nos adaptemos. Cada dia é uma incógnita. Com o terceiro período a aproximar-se os alunos irão continuar a ter aulas sim, mas à distância. É de extrema importância salientar os alunos que não têm acesso a instrumentos tecnológicos e à internet, ou os que vivem em zonas sem cobertura de internet. Desta forma, estes alunos ficavam inibidos de participar neste modelo de ensino.

 

De acordo com o artigo 74.º da República Portuguesa,  “Todos têm o direito ao ensino com garantia do direito à igualdade de oportunidades de acesso e êxito escolar”. Para assegurar este direito surge a ideia da telescola, uma vez que com recurso à TDT é possível chegar a todos. Sim! A educação é para todos!

 

VEJA TAMBÉM: ANSIEDADE DURANTE A INTERRUPÇÃO LETIVA: COMO GERIR UMA NOVA REALIDADE

 

E quem diria que no ano de 2020 iríamos voltar à telescola, um velho recurso numa era digital. Reformulo, um velho recurso, que passará a ser um “novo recurso educativo”. E com esta alternativa cabe às escolas, professores e pais flexibilizarem-se para esta nova realidade educativa. Porém, com os tempos que correm, ouso dizer que flexibilização é vocábulo ao qual já estamos mais do que habituados.

 

Acredito que todos irão fazer o seu melhor, de modo a que os alunos continuem a realizar aprendizagens significativas. A educação é algo que não podemos descorar, pois possui impacto em todas as áreas da nossa vida. A educação ajuda não só no desenvolvimento de um país, como no desenvolvimento de cada indivíduo. Através dela garantimos o nosso desenvolvimento social, económico e cultural.

 

Mais uma adaptação na vida dos portugueses. Mais um desafio. Vamos continuar a ser perseverantes e resilientes!

 

Hugo Gouveia

Professor do 1.º Ciclo do Ensino Básico

 

Artigo anterior

Tie-dye, a moda do it yourself

Próximo artigo

Preserve: a plataforma que pretende ajudar a economia local a enfrentar a COVID-19