Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Novembro Azul: APED alerta que dor pélvica crónica pode impactar vida sexual do homem

Novembro Azul: APED alerta que dor pélvica crónica pode impactar vida sexual do homem

A Síndrome de Dor Pélvica Crónica é definida como dor crónica, pressão ou desconforto localizados na pélvis, períneo, ou órgãos genitais, com duração superior a três meses. A Associação Portuguesa para o Estudo da Dor faz uma chamada de atenção para os sintomas e tratamentos disponíveis.

Pinterest Google+
PUB

O mês de novembro, conhecido como Novembro Azul, é dedicado à consciencialização da saúde do homem e tem como objetivo sensibilizar a população masculina para a identificação de sintomas e procura de ajuda médica, para garantir a prevenção e tratamento de doenças. Neste sentido, a Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED) alerta para o facto de a Síndrome de Dor Pélvica Crónica Masculina, também conhecida como Prostatite Crónica, poder ter impacto na vida sexual do homem.

 

A falta de informação, o preconceito e, muitas vezes, a vergonha são algumas das razões que levam a população masculina a desvalorizar sintomas e a não procurar acompanhamento médico, que pode ajudar a identificar doenças que afetam o género masculino, como a Síndrome de Dor Pélvica Crónica. Esta doença afeta sobretudo jovens e homens de meia-idade, mas é prevalente em todas as idades.

 

A Síndrome de Dor Pélvica Crónica é definida como dor crónica, pressão ou desconforto localizados na pélvis, períneo, ou órgãos genitais, com duração superior a três meses. Apesar de não ser originada por causas facilmente explicáveis, as infeções relacionadas com as doenças sexualmente transmissíveis (DST), cancro ou inflamação da próstata estão entre as principais causas da dor pélvica crónica.

 

VEJA TAMBÉM: HIPERPLASIA BENIGNA DA PRÓSTATA: UMA DOENÇA MAIS HABITUAL E MENOS CONHECIDA QUE O CANCRO DA PRÓSTATA

 

Os sintomas mais comuns incluem dor ou desconforto no períneo, região supra púbica e órgãos genitais. Para além da dor, esta síndrome é frequentemente acompanhada de alterações sexuais como disfunção erétil, ejaculação precoce ou dolorosa e sintomas de trato urinário, como micção e armazenamento e fluxo diminuído. Os sintomas sistémicos incluem mialgia, artralgia e fadiga e alguns doentes podem ter uma variante da cistite intersticial com dor predominante relacionada com a bexiga, associada a problemas urinários.

 

Ana Pedro, presidente da Associação Portuguesa para o Estudo da Dor (APED), afirma que «os sintomas da Síndrome de Dor Pélvica Crónica Masculina são frequentes e podem intensificar-se durante horas, dias ou semanas. Além disso, é comum estes doentes apresentarem comorbilidades como depressão, stress e ansiedade. Desta forma, é fundamental estar atento aos sintomas e procurar acompanhamento médico para garantir um diagnóstico atempado e proceder ao tratamento adequado».

 

O tratamento da Síndrome deve seguir uma abordagem multidisciplinar e deve ser personalizado de acordo com o fenótipo clínico do doente, uma vez que depende da causa subjacente e consiste principalmente em controlar os sintomas. Quando a infeção é identificada, é comum serem prescritos medicamentos como antibióticos anti-inflamatórios e relaxantes musculares. A fisioterapia do pavimento pélvico também pode ajudar a tratar as estruturas músculo-esqueléticas da região pélvica, onde todos os órgãos da cavidade abdominal e pélvica assentam. Ainda, termoterapia localizada, exercício de baixo impacto como caminhada, natação e yoga e alimentação saudável são bons aliados no controlo da dor crónica pélvica.

 

 

Artigo anterior

Cinco tendências de decoração que vão vingar em 2021

Próximo artigo

Sumos: elixir de energia para o dia