Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Nova rede colaborativa agrega conhecimento em prol dos polinizadores

Nova rede colaborativa agrega conhecimento em prol dos polinizadores

O objetivo é reunir comunidade científica e a sociedade civil à volta de uma causa essencial à sustentabilidade ambiental. A Rede Colaborativa para a Avaliação, Conservação e Valorização dos Polinizadores e da Polinização vai ser apresentada a 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente.

Pinterest Google+
PUB

O Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas em conjunto com o Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra, apresenta, no próximo dia 5 de junho, Dia Mundial do Ambiente, a Rede Colaborativa para a Avaliação, Conservação e Valorização dos Polinizadores e da Polinização, num evento público online que inclui uma mesa-redonda dedicada a consciencializar para a importância dos polinizadores e para os serviços por eles prestados.

 

A Rede Colaborativa pretende reunir a comunidade científica, partes interessadas e sociedade civil ligada, direta e indiretamente, aos polinizadores e à polinização, de forma a promover a transferência de conhecimento entre todas as partes e promover a formação de investigadores e cidadãos.

 

Tem ainda como objetivo o desenvolvimento de um plano de ação nacional para a avaliação, conservação e valorização dos polinizadores, bem como promover a implementação das ações nele propostas, envolvendo todas as partes interessadas num processo de trabalho colaborativo e de comprometimento por parte de todos os intervenientes.

 

VEJA TAMBÉM: POPULAÇÃO DE ABELHAS CAIU PARA METADE EM ALGUNS PAÍSES EUROPEUS

 

Para Nuno Banza, presidente do ICNF, «o estabelecimento de uma rede colaborativa de nível nacional para a conservação, a avaliação e a valorização dos polinizadores é de enorme relevância para o ICNF, constituindo, inclusive, uma ação já contemplada na Estratégia Nacional de Conservação da Natureza e Biodiversidade 2030». Reforça ainda que «foi, por isso, com enorme satisfação que acolhemos uma proposta inicial dos investigadores do Centro de Ecologia Funcional e iniciámos a tarefa conjunta de identificar uma estrutura de coordenação da rede colaborativa e de agregar todos os atores relevantes e partes interessadas a nível nacional».

 

Para Helena Freitas, professora catedrática da Universidade de Coimbra e ponto de contacto nacional do Painel Intergovernamental para a Biodiversidade e Serviços dos Ecossistemas, «o papel essencial dos polinizadores tem sido reconhecido pelas entidades governamentais de todo o mundo, sendo urgente implementar ações para promover a investigação, avaliação e monitorização dos polinizadores, aumentar a consciencialização e transferência de conhecimentos, melhorar ferramentas de avaliação para apoio à tomada de decisão e implementar práticas amigas dos polinizadores».

 

Sílvia Castro, Investigadora do Centro de Ecologia Funcional e responsável pela coordenação da Rede, realça que «face ao declínio global de polinizadores, é crucial desenvolver uma estratégia, a nível nacional, que permita salvaguardar este património natural e funcional de elevada relevância para o bem-estar social».

 

Até ao momento, a Rede Colaborativa para a Avaliação, Conservação e Valorização dos Polinizadores e da Polinização conta já com mais de 50 instituições, que incluem a academia, entidades da administração pública, ONGs, associações de produtores e plataformas digitais de dados.

 

Os próximos passos da Rede Colaborativa passam por identificar todas as partes interessadas ligadas aos polinizadores e à polinização, mapear competências na temática ao nível nacional e consolidar a Rede a nível nacional e internacional, de forma a avançar, assim que possível, para o desenvolvimento de um plano de ação nacional para a avaliação, conservação e valorização dos polinizadores e da polinização, bem como promover a implementação das ações nele propostas.

 

 

Artigo anterior

A inovação como força das marcas

Próximo artigo

Quer iniciar-se no surf? Veja estas dicas