Home»BEM-ESTAR»RECEITAS»Neste Natal sirva bacalhau sustentável

Neste Natal sirva bacalhau sustentável

O rei da mesa de Natal continua a ser o bacalhau, mas deve ser certificado, reforça a ANP|WWF, demonstrando a importância da pesca sustentável e orientando os consumidores para o consumo responsável. O chef Fábio Bernardino dá uma ajuda e partilha uma receita especial.

Pinterest Google+

Com o aproximar-se do dia em que o bacalhau é o rei da mesa, neste Natal, dê um presente ao futuro do planeta e escolha pescado com certificação MSC (Marine Stewardship Council). Esta é a recomendação da ANP|WWF, que no âmbito do projeto Fish Forward pediu ao chef Fábio Bernardino para criar uma receita que ajude a promover a urgência de escolher opções mais responsáveis.

 

Com esta ação, a ANP|WWF pretende chamar a atenção para a importância que as escolhas do consumidor têm na pesca, enquanto sensibiliza e muda comportamentos de consumidores, empresas e autoridades, de forma a permitir a recuperação das populações marinhas em todo o mundo, algumas sob um risco de colapso.

 

VEJA TAMBÉM: ÂNGELA MORGADO: «A HUMANIDADE EXERCE UMA PRESSÃO SEM PRECEDENTES SOBRE OS RECURSOS NATURAIS»

 

A população de bacalhau do mar do Norte diminuiu drasticamente, um alerta lançado pelo Conselho Internacional para a Exploração do Mar, a mais antiga organização intergovernamental do mundo. Portugal é o maior consumidor de bacalhau salgado do mundo, com 70.000 toneladas por ano, 70% dos quais de origem norueguesa.

 

Para Ângela Morgado, diretora executiva da ANP|WWF, «o bacalhau é alvo de muitas pressões de consumo e os portugueses têm um interesse e uma responsabilidade acrescida sobre a mesma. Como tal, devem informar-se sempre sobre a origem do bacalhau que compram, e devem ainda procurar o selo de certificação MSC que garante que este foi pescado da forma correta e legal».

 

Rita Sá, coordenadora da prática de Oceanos e Pescas da ANP|WWF, comenta ainda que as tradições natalícias não se esgotam no bacalhau e relembra que «o polvo é uma melhor opção, pois a sua pesca é feita em covos, portanto seletiva, não tendo as suas populações, atualmente, nenhum problema de sustentabilidade».

 

VEJA TAMBÉM: SAIBA O QUE OS OCEANOS REPRESENTAM PARA A VIDA NA TERRA

 

Para orientar as escolhas dos consumidores em matéria de peixe e marisco a ANP|WWF publicou o guia do pescado. Aqui os consumidores podem verificar se o peixe que estão a pensar comprar é mesmo a melhor opção. Cada espécie está avaliada com um código simples de cores consoante a situação das populações (por zona de captura), os tipos de pesca utilizados e os impactos ecológicos dessas mesmas capturas.

 

Nesta época natalícia deve ser ainda mais presente a preocupação com pessoas que, em países de onde originam os peixes e mariscos que consumimos, dependem desta fonte para viver. As nossas escolhas diárias de pescado têm um enorme impacto sobre os recursos marinhos e sobre as pessoas que deles dependem. Ângela Morgado reforça que “a sobre pesca é uma ameaça real, que está a esgotar os nossos oceanos. Enquanto consumidor não temos que abdicar de comer peixe, mas temos a obrigação de garantir que as nossas escolhas são as mais responsáveis para garantir um futuro com peixe e marisco para todos”.

 

VEJA TAMBÉM: PATRÍCIA BORGES: «EXISTEM MUITOS MITOS QUANTO AO PESCADO DE AQUACULTURA»

 

Uma receita sustentável

O chef Fábio Benardino, conhecido pelas suas de boas práticas e receitas com preocupações sustentáveis, “embarcou” agora no projecto Fish Forward para ajudar a promover o consumo de peixe e marisco de forma responsável. Neste âmbito desenvolveu uma primeira receita, um ‘Escangalhado de bacalhau com batata-doce e grão’, para chamar a atenção para uma das escolhas mais simples que se encontra à disposição dos consumidores – produtos certificados MSC e ASC.  Veja o vídeo abaixo.

 

V

Veja a descrição da receita completa na página seguinte.

 

Artigo anterior

A melhor altura do ano? Mais de um terço dos adultos sente stress no Natal

Próximo artigo

Eclipses: fases da lua no mapa astrológico