Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Neptuno: inspiração e vida

Neptuno: inspiração e vida

O glifo retrata o tridente do Pai Neptuno, sendo composto pelo semicírculo da alma, penetrado pela cruz da matéria, daí resultando o garfo de três dentes. Os dentes representam o corpo físico e os cinco sentidos do corpo astral ou emocional e seus desejos, a esfera mental inferior e seus pensamentos egocêntricos.

Pinterest Google+

As vibrações de Neptuno permitem que estas três áreas se tornem mais sensitivas, de maneira que o indivíduo possa elevar estas esferas do seu ser a um nível mais refinado, ou correr o risco de ser inundado pela contracorrente submarina da energia não regenerada. Na variação do tridente de Neptuno, o semicírculo é perfurado pelo bastão de vida, de modo a que a personalidade fique liberta de motivações egocêntricas e possa funcionar em cooperação com o Espírito (o círculo pequeno).

 

Desta maneira, podemos ver neste glifo a infusão da consciência superior, que produz as visões místicas (ou alucinações) associadas a este planeta.

 

Neptuno traz a conexão com um senso de pertença a uma ordem ainda mais ampla que o etnocêntrico, o comunitário, e o familiar. Traz a sensibilidade que abre as portas para a caridade, a compaixão, o perdão, as experiências místicas e para o transcendental. Estados especiais de ser, ou estados alterados de consciência, de perceção que trazem revelações, pressentimentos, premonições, e às vezes ilusões, fantasias, patologias, fanatismos, pseudorrealidades, realidades paralelas com acesso a drogas, bebidas, e outras formas de dependências.

 

Como Vénus, Neptuno também funciona ao nível emocional. Entretanto, ao contrário de sua irmã mais pessoal, Neptuno ama pelo prazer de amar, não pelas motivações do retorno (ou experiência partilhada), que são uma grande parte dos raios de Vénus. Neptuno ensina que é através do amor puro e desinteressado que o Homem se transforma no “Cristo”. Por “Cristo” não queremos necessariamente indicar o Senhor Jesus, o Cristo, nem o Senhor Krishna, nem o Senhor Moisés, nem o Senhor Buda, ou qualquer outro Ser específico com este Título. “Cristo” é o nome dado à Alma de um indivíduo que alcançou o estado da Perfeição – isto é, a forma mais elevada que pode assumir a Força de Deus, quando encarnada na forma humana.

 

Na maioria dos casos, Neptuno não pode mostrar as suas vibrações mais elevadas, num sentido pessoal. A sua influência no mapa da vasta maioria de pessoas, apenas sensibiliza a área em que está situado, segundo a natureza de sua posição. Se a sua localização entrar em desarmonia com outros planetas, signos ou quaisquer pontos importantes do mapa natal, a vibração de Neptuno será invertida, causando enganos e dissimulações desnecessários. No seu pior aspeto, Neptuno é a corporificação de fantasias, obsessões e alucinações. Neste sentido, vale a pena registar que Neptuno governa o álcool, o fumo e as drogas em geral, especialmente a maconha, o LSD e os demais alucinogénios.

 

Quando ativo na sua polaridade positiva, Neptuno eleva e sensibiliza tudo quanto toca, tornando-o muito mais subtil. Ele inspira a criatividade musical e artística, proporcionando ainda uma visão adicional de todos os aspetos do trabalho cinematográfico.

 

Na sua maior elevação, Neptuno produz os verdadeiros místicos do mundo, assim como grandes clarividentes, médiuns e outros indivíduos em contacto com os Mestres e Professores. Neptuno rege a glândula pineal e as partes do sistema nervoso que reagem às impressões psíquicas.

 

Neptuno é o regente de Peixes, sendo intimamente ligado às questões da Casa XII. Relaciona-se com todas as atividades envolvendo o cinema, a dança, as drogas, os óleos, os cosméticos e o oceano. Também é associado a contrabandistas, a curadores, a magos brancos e negros, a psíquicos e a trabalhadores psiquiátricos.

Isabel Guimarães
isabel guimarães
Artigo anterior

Os inconvenientes de roer as unhas

Próximo artigo

João Santos: «Sinto necessidade de transmitir o lado humano que, apesar de ser cruel, não deixa de ser belo e honesto»