Home»VIDA»CARREIRA»Daniel Ribeiro: “Nem sempre as fotografias mais espetaculares são as que vivem mais tempo em nós”

Daniel Ribeiro: “Nem sempre as fotografias mais espetaculares são as que vivem mais tempo em nós”

Aos 15 anos, Daniel Ribeiro descobriu o que queria fazer durante o resto da vida. Apaixonou-se pela fotografia e, até hoje, este tem sido um casamento feliz.

Pinterest Google+
PUB

Aos 15 anos, Daniel Ribeiro descobriu o que queria fazer durante o resto da vida. Apaixonou-se pela fotografia e, até hoje, este tem sido um casamento feliz. O mestre fotógrafo de Aveiro já registou mais de 100 casamentos em dez anos de carreira e ainda vibra com a possibilidade de captar as emoções das pessoas neste dia tão importante das suas vidas. Faz parte da ISPWP. O seu nome também está presente nos Fearless Photographer, sendo o português com mais distinções nessa associação. Integrou a seleção portuguesa de fotografia no World Photographic Cup na especialidade de Casamento, tendo a equipa obtido o honroso 3º lugar. Mas, mais do que prémios, procura trabalhar para oferecer aos clientes uma “filosofia de imagem” pessoal e única.

 

Como é que surgiu esta paixão pela fotografia de casamento?
Surgiu quando eu era jovem, no verão dos meus 15 anos. Arranjei trabalho num laboratório de fotografia e foi amor à primeira vista. Passava os meus dias a revelar rolos, a observar imagens. Conheci vários fotógrafos que acompanhei em reportagem e o interesse cresceu.

 

Aquela que era uma arte vista como ultrapassada tem sido revitalizada com um olhar diferente…
Sim, acho que a crise ajudou. Muitos jovens formados noutros cursos como arquitetura, design ou engenharia, viram na fotografia uma saída para uma vida melhor. Sendo praticada por gente qualificada e com um sentido estético acima da média tem-se traduzido em trabalhados reconhecidos. Já era tempo da nossa “arte” deixar de ser vista como o patinho feio da fotografia.

 

O que é que para si, na qualidade de fotógrafo, faz do casamento uma fonte de inspiração?
Sobretudo as pessoas. Afinal, um casamento é disso mesmo que trata. As emoções ao rubro são momentos inspiradores de captar. Somos como que contadores de histórias e 50 anos depois este trabalho terá ainda mais valor ao ser folheado.

 

Tem ideia de quantos casamentos já fotografou?
Ora: dez anos de fotografia de casamento vezes 12 meses vezes fins-de-semana e mais… São muitos! Deixei de os contar mas seguramente mais de uma centena.

Artigo anterior

Artista cria maquilhagens de sonho

Próximo artigo

Usar o telemóvel junto dos filhos deixa-os inseguros