Home»FOTOS»Naturopatia: conheça os benefícios da medicina natural para a sua saúde

Naturopatia: conheça os benefícios da medicina natural para a sua saúde

A 15 de julho de 2015 era aprovado, por maioria, na Assembleia Municipal de Lisboa, o Dia Municipal das Medicinas Naturais, proposto pelo partido PAN – Pessoas-Animais-Natureza. A propósito deste dia, falámos com a naturopata Diana Mendes, que nos explica os benefícios destas medicinas para a sua saúde.

Pinterest Google+

Segundo a Organização Mundial de Saúde, a naturopatia, reconhecida pelo Estado português em 2013 e atualmente regularizada, é uma medicina tradicional, que utiliza as vias naturais para a obtenção da cura ou melhora de uma doença.

 

As medicinas naturais incluem o conjunto de terapêuticas não convencionais – Naturopatia, Osteopatia, Medicina Tradicional Chinesa, Homeopatia, Fitoterapia e Quiroprática. O fator comum de todas estas terapêuticas é que são utilizados apenas produtos e tratamentos de origem natural.

 

Diana Mendes explica que a «naturopatia é uma terapêutica natural holística que trata a pessoa como um todo, focando-se principalmente na prevenção e no tratamento das causas da doença e não apenas dos seus sintomas. Esta terapêutica trata as doenças com recurso a tratamentos específicos visando sempre que o paciente atinja o bem-estar físico, psicológico e emocional».

 

VEJA TAMBÉM: NATUREZA TERAPÊUTICA: 15 PLANTAS QUE VÃO MELHORAR A SUA VIDA

 

Antes de ser realizado um diagnóstico, a naturopatia tem em consideração o estilo e hábitos de vida, o estado emocional do doente e também a sua alimentação. «É necessário conhecer o corpo na sua totalidade para se perceber o porquê da manifestação da doença, seja ela qual for. Uma vez que cada pessoa é biologicamente única, a abordagem terapêutica varia consoante cada caso clínico», acrescenta a naturopata.

 

Dentro das medicinas naturais, a naturopatia é a que utiliza mais a fitoterapia, que utiliza a prescrição de plantas medicinais, o que na maioria dos casos é a abordagem principal. No entanto, existem outras abordagens terapêuticas, que podem ou não ser aplicadas, dependendo de cada caso clínico e de como se conduz o tratamento. «Pode utilizar-se a aromaterapia, que consiste na utilização de óleos essenciais, a ortomolecular, que visa a prescrição de vitaminas, aminoácidos, oligoelementos, minerais e enzimas, a homeopatia, que corresponde aos medicamentos homeopáticos, a dietoterapia, na qual se faz a seleção dos alimentos mais benéficos à situação do doente (retirar, reduzir ou alterar certos alimentos) e a hidroterapia, na qual se utiliza água recorrendo a várias técnicas, como os vapores e a afusão, pelo seu efeito mecânico e por ação da sua temperatura, consegue-se prevenir e tratar certas doenças como por exemplo, as mialgias», enumera Diana Mendes.

 

No que toca a escolher o tratamento indicado, cada naturopata analisa as queixas atuais do paciente e também tudo o que este menciona na primeira consulta. Tendo em conta o historial do paciente, algumas abordagens podem não ser recomendadas, «por exemplo, não se deve aconselhar suplementos com alho a pacientes que tomam anticoagulantes, já que podem aumentar o risco de hemorragia».

 

VEJA TAMBÉM: OSTEOPATIA, UMA ABORDAGEM INTEGRAL AO CORPO HUMANO

 

Conclui-se, assim, que todos os tratamentos prescritos são personalizados. No entanto, independentemente da abordagem terapêutica utilizada, o paciente é sempre avaliado como um todo e o trabalho feito considera o físico, o mental e o emocional.

 

Para quem procura recorrer à naturopatia, é importante perceber que mesmo quem não tem uma doença específica o pode fazer: «Nestes casos, o foco da terapêutica é dar ao paciente conhecimento sobre o seu corpo e estilos de vida saudáveis, para que, através da dieta e de novos hábitos, tenha um maior controlo sobre a sua própria saúde. Adicionalmente, independentemente dos hábitos do paciente, existem sempre alturas em que é necessário reforçar o sistema imunitário, como por exemplo durante gripes sazonais», explica Diana Mendes.

 

Já em casos de doença, o papel da naturopatia é outro. A naturopata alerta que «existem sempre benefícios em incluir a terapêutica natural. Idealmente, esta abordagem é feita juntamente com a medicina convencional, para que o paciente tenha o melhor de ambas as vertentes e que o seu tratamento seja mais completo e eficaz».

 

Para além da sua abordagem holística e preventiva trazer benefícios para o dia-a-dia, a naturopatia traz também benefícios em contexto de doenças ou condições físicas. A naturopata destaca a atuação benéfica da terapêutica no «alívio da dor, no tratamento de doenças crónicas, em doenças autoimunes, reumáticas, gastrointestinais, respiratórias, em dores crónicas, fadiga, fibromialgia e ainda para amenizar os efeitos secundários da quimioterapia».

 

VEJA TAMBÉM: CORPO E MENTE: COMO EMAGRECER SEGUNDO A MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

Como o pilar da medicina natural se centra no bem-estar geral, promovido por um equilíbrio entre a mente e o corpo, esta ajuda ainda no relaxamento, na redução do stress e numa melhoria da qualidade de vida, que se traduz numa saúde física e mental mais equilibrada.

 

Para além disto, muitas das pessoas que recorrem às medicinas naturais fazem-nos porque os tratamentos convencionais não têm o efeito pretendido. «Não se quer dizer com isto que uma forma de medicina é superior à outra, mas sim que cada uma têm a sua utilidade em casos diferentes. Considera-se até que a melhor terapêutica seja uma que inclua ambas as vertentes», esclarece Diana Mendes.

 

Um dos melhores exemplos dos benefícios das medicinas naturais aliadas à medicina convencional é o caso da quimioterapia. A naturopata explica que «embora necessária no tratamento de cancros, a quimioterapia pode produzir efeitos secundários desagradáveis. Nestes casos, o papel das medicinas naturais é complementar, focando-se no controlo desses efeitos secundários, como a fadiga, a náusea, e os vómitos. Na maioria dos casos, pacientes que incluem esta terapêutica complementar apresentam menos ou até nenhuns destes efeitos secundários».

 

De forma resumida, a naturopatia foca-se em promover um bem-estar geral, pelo que pode ser utilizada sozinha, para quem procura uma saúde física e mental equilibrada ou aliada à medicina convencional, como forma de ajuda na recuperação de doenças ou problemas físicos. Veja, na galeria, no início do artigo, um resumo dos benefícios da naturopatia.

Artigo anterior

Cuidados a ter com a pele depois do confinamento

Próximo artigo

Os problemas de saúde que o calor traz e as recomendações para os evitar