Home»FOTOS»Não deixe que as varizes estraguem o seu verão

Não deixe que as varizes estraguem o seu verão

A doença venosa crónica ganha novas preocupações no verão, pois além de os sintomas se agravarem está muitas vezes associada a problemas de imagem que influenciam o dia a dia. E no sexo feminino a preocupação é ainda maior.

Pinterest Google+

No verão, as pernas pesadas e cansadas, as cãibras, a dormência e a comichão evidenciam-se trazendo à tona um problema que condiciona a qualidade de vida dos doentes. Falamos das varizes. Segundo os dados da Sociedade Portuguesa de Angiologia e Cirurgia Vascular, estima-se que a incidência de varizes seja de 26% nas mulheres e 19% nos homens. Devido à componente hormonal e à gravidez, as mulheres sofrem mais deste problema.

 

Mas o que são, afinal, as varizes? Englobadas na denominação Doença Venosa Crónica (DVC), as varizes são veias dilatadas e tortuosas que são facilmente identificáveis por se localizarem debaixo da pele, sendo as mais comuns as dos membros inferiores.

 

VEJA TAMBÉM: SÍNDROMA DAS PERNAS INQUIETAS – UMA DOENÇA COMUM E INCAPACITANTE

 

Existem diversas causas para o seu aparecimento. As chamadas primárias podem resultar de fraqueza congénita ou herdada das paredes das veias que as torna facilmente dilatáveis pela pressão natural do sangue. Este tipo de variz é a mais comum e é responsável pelas inestéticas linhas vermelhas e azuis dos mais diversos tamanhos na pele. Permanecer muito tempo de pé, o excesso de peso, a longa exposição ao calor e o sedentarismo são outros fatores que podem favorecer o seu aparecimento. Por fim, o próprio envelhecimento é, também, um fator de agravamento do problema. Existem, ainda, as designadas varizes secundárias, que surgem por doenças adquiridas no decorrer da vida, e o seu tratamento é mais difícil.

 

Muitas mulheres sofrem com este problema e as preocupações com a imagem agravam-se nos meses de verão. Algumas pessoas recusam-se a vestir roupas que expõem as varizes e chegam a evitar idas à praia ou à piscina.

 

É possível diagnosticar o problema através de observação clínica, e o seu estádio é determinado através de um doppler ou de um eco doppler, exames não dolorosos nem invasivos. São vistas como graves quando os sintomas começam por se evidenciar nas alterações da cor e da consistência da pele que se torna acastanhada e endurecida. Estes podem ser sinais de doenças sérias como úlceras, eczemas e infeções, enquanto que as varizes consideradas ‘leves’, embora sejam uma doença, não causam problemas de saúde imediatos e causam, sim, preocupações estéticas que afetam a autoestima.

 

VEJA TAMBÉM: DEZ MANDAMENTOS PARA TER UMAS PERNAS PERFEITAS

 

Nos tratamentos, feitos por um especialista em Angiologia/Cirurgia Vascular, incluem-se a escleroterapia, em que é injetada uma substância que destrói o vaso, laserterapia (transcutânea ou endovascular), a radiofrequência, e a cirurgia aberta – ‘stripping’. Tendo em conta que cada caso é diferente, só um especialista poderá indicar o tratamento mais eficaz.

 

Os métodos que têm uma recuperação mais rápida (em menos de uma semana)  são os endovenosos térmicos (pelo calor) que reúnem o laser ou a radiofrequência. Em vez de ser retirada a veia como nos métodos clássicos, introduz-se um cateter (tubo de pequenas dimensões) que emite estes tipos de luz, o que origina calor. Ao retirar lentamente estes dispositivos, o calor emitido faz com que as paredes da veia fiquem aderentes, ou seja, a veia fica sem função mas não é extraída.

 

VEJA TAMBÉM: TERESA MANAFAIA: «O GRANDE PROBLEMA DAS PERNAS DAS MULHERES E DOS HOMENS É O SEDENTARISMO»

 

Por outro lado, a terapia conservadora para o tratamento das varizes abrange os cuidados diários de hidratação da pele, a administração de fármacos flebotómicos que ajudam a circulação venosa e o uso de meias elásticas ou ligaduras. Porém, a medicina não é uma ciência estática e está obviamente em contante evolução. Em Portugal, tem havido uma constante procura por técnicas inovadoras ainda mais simples do que aquelas que foram apresentadas.

 

Felizmente, há algumas medidas que podem ser tomadas para minimizar os seus efeitos. Por aconselhamento da clínica de saúde CUF, o aparecimento de varizes pode ser evitado mediante algumas ações diárias, que pode consultar na galeria acima. Não obstante a todas estas dicas, é imperativo que, mediante os sintomas de varizes já referidos, consulte um cirurgião vascular.

Artigo anterior

NÃO DEIXE QUE AS VARIZES ESTRAGUEM O SEU VERÃO

Próximo artigo

Come sem pensar? Veja como deixar de comer ‘inconscientemente’