Home»ATUALIDADE»EDITORIAL»Não, a escolha de Greta Thunberg para Personalidade do Ano não é ridícula

Não, a escolha de Greta Thunberg para Personalidade do Ano não é ridícula

Goste-se ou não se goste, factos são factos. Greta Thunberg pôs o mundo a falar de ambiente e a pressionar as agendas políticas para se ajustarem às novas exigêcias da população. Se isto não é merecedor de ser considerada a Personalidade do Ano, não sei o que é.

Pinterest Google+

Como acontece todos os anos, por esta altura, a revista ‘Time’ escolhe a Personalidade do Ano. Em 2019, a escolha recaiu sobre a jovem ativista sueca, Greta Thunberg. Claro que, dados os ódios inflamados que se apontam à jovem, esta escolha logo gerou comentários revoltados, a par daqueles que a aplaudem.

 

O Presidente dos EUA, Donald Trump, já veio dizer que a escolha é «ridícula». Ele , que foi a escolha da revista em 2016, não gostou que uma miúda – ou «pirralha», como a apelidou Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil – lhe tomasse o mesmo protagonismo. Ele, que rejeita as alterações climáticas, não gosta de ver este contrapeso ao seu pensamento. E, para mais, vindo de alguém que há pouco mais de um ano era uma jovem estudante anónima que não falava com ninguém, como Greta já confidenciou. Agora fala para o mundo e boa parte do mundo mobiliza-se com as suas palavras. Mas ele e muitos outros não lhe reconhecem este mérito.

 

Mas esta escolha não é, de todo, ridícula. Goste-se ou não se goste, factos são factos. Esta jovem pôs, num ano, o mundo inteiro a falar de ambiente. Esta jovem conseguiu despertar consciências de outros jovens e mobilizar estes e mais velhos para a causa comum e irrefutável pela ciência: as alterações climáticas. Greta Thunberg trouxe o tema para a ribalta conseguindo assim força para pressionar as agendas políticas para se ajustarem às novas exigêcias da população. A sua influência pessoal teve, tem e vai ter impacto global. A pressão agora exercida já está e vai obrigar a esse trabalho por parte de quem decide neste mundo.

 

A foto da capa, tirada aquando da sua recente pasagem por Lisboa, destaca o poder da juventude. Uma juventude que se julgava meio adormecida e sem lutas para travar. Afinal, não. Continua a ser o motor da progressão, e ainda bem. Despertaram , querem um mundo melhor  e estão dispostos a lutar por isso.

 

Mas tal como tem muitos defensores que lutam  a seu lado, Greta tem outro tanto de haters, onde não faltam as fake news, as teorias da conspiração de que tem uma agenda escondida ou serve interesses dos quais é marioneta, o escrutínio ao que come, veste, utiliza, blá, blá, blá…  O facto de Thunberg não apresentar soluções também faz correr muita tinta. Mas não é esse o seu papel. Tem 16 anos, certo?  E faz-me rir sobretudo a preocupação por ela não ir à escola. É muito provável que a sua educação esteja a ser acautelada de outra forma. Com aulas em regime domicilário, por exemplo. Não sabemos. Nem todos os seres humanos têm de seguir o mesmo caminho formativo. Por cá também há alternativas à escola convencional e não é por isso que ficam traumatizados ou desenraizados da sociedade. Não me parece que isto seja um argumento válido para apontar armas.

 

Muitos há que criaram soluções para ajudar a humanidade? Sim, há. Mas ela conseguiu este feito extraordinário de inspirar milhões de pessoas a debaterem e a lutarem por uma causa. O que muitos cientistas e outras personalidades têm tentado fazer há anos e décadas sem conseguirem fazer surtir o efeito de avalanche e contágio que ela conseguiu. Este é o FACTO. Simples.  É preciso mais? A capa é obviamente merecida.

 

Artigo anterior

Natal, crianças e presentes: uma combinação imperfeita

Próximo artigo

Natal fit: Sonhos de cenoura no forno