Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Na mesa com…as algas

Na mesa com…as algas

Bastante ricas em sais minerais, vitaminas e proteínas, as algas quando incluídas na nossa alimentação diária ajudam a equilibrar o organismo controlando os níveis de colesterol, pressão arterial, melhoram a circulação sanguínea, a disposição e ainda ajudam a emagrecer.

Pinterest Google+
PUB

Castanhas, verdes e vermelhas

Apesar de existirem mais de 300 mil tipos de algas marinhas, só apenas 22 mil são conhecidas e catalogadas, e destas somente 50 são utilizadas na medicina e na alimentação humana.

 

São classificadas em três grupos: castanhas (feoficeas), verdes (cloroficeas) e vermelhas (rodoficeas). Embora as algas verdes sejam as mais facilmente encontradas para o consumo, sobretudo naquelas lojas que vendem alimentos e ingredientes da gastronomia chinesa e/ou japonesa, são as algas vermelhas as mais ricas do ponto de vista nutricional.

 

Veja também: Neofobia: a rejeição de novos sabores

 

Na alimentação

Como sabemos, a nossa alimentação deve ser o mais variada possível. Nesse sentido e para elaborar refeições bastante criativas e diferentes, devemos também introduzir as algas marinhas que não são tão comuns na nossa alimentação.

 

As algas são muito ricas nutricionalmente e apresentam na sua composição:

– Vitaminas: praticamente todas as vitaminas de A a K, com especial destaque para a vitamina B12, uma vez que é uma das únicas fontes desta vitamina no reino vegetal, e que é fundamental para a formação dos glóbulos vermelhos. Apresenta ainda excelentes quantidades de provitamina A (essencial para o rejuvenescimento).

 

– Sais minerais: cálcio, magnésio e ferro – fundamentais para os ossos; potássio, zinco e fósforo – importantes para uma correcta produção e assimilação da hormona insulina; iodo – mineral essencial para a síntese das hormonas tiroideias.

 

Veja também: A importância (vital) das bactérias intestinais

 

Fibras – têm uma grande quantidade de fibras (mucilagens), que no estômago quando em contacto com o suco gástrico aumentam de volume (incham) levando a uma redução do apetite.

 

Gorduras – alguns vestígios.

 

Proteínas – bastante ricas em proteínas vegetais, conseguem conter todos os aminoácidos essenciais ao nosso organismo numa proporção adequada, apresentando também um coeficiente de digestibilidade de 95% (tendo a carne 20% e a soja 35%). É devido à presença de fenilalanina, um aminoácido que promove uma inibição do apetite a nível do sistema nervoso, que faz com que as algas sejam muito importantes no processo de emagrecimento.

 

Outros nutrientes – ácido alfa-linoleico e linoleico (que protegem a pele e as mucosas contra o envelhecimento e a acção nefasta dos radicais livres), ácido algénico (colabora no processo de eliminação de metais pesados como mercúrio, chumbo e arsénico).

Artigo anterior

Christie Brinkley é a modelo mais velha na capa da Sports Illustrated aos 63 anos

Próximo artigo

Índice de talento mundial coloca Portugal em 31º lugar