Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Música barroca volta a animar o Palácio de Queluz como nos tempos da Corte

Música barroca volta a animar o Palácio de Queluz como nos tempos da Corte

Nos dias 26 de junho e 3 de julho, concertos recuperam a vivência festiva que marcava o verão neste palácio no século XVIII.

Pinterest Google+
PUB

Os concertos ao vivo estão de regresso ao Palácio Nacional de Queluz para celebrar a chegada do verão, com o programa “Verão em Queluz – Música barroca ao anoitecer”. São dois espetáculos que marcam a chegada de uma estação que, neste palácio, no século XVIII, era vivida em festa pela corte portuguesa.

 

As noites quentes de verão animavam-se com diversos eventos culturais, nos quais não podia faltar a música, com particular destaque para os festejos dos Santos Populares. Com estes concertos, revive-se a memória destes serões festivos e proporciona-se ao público a fruição dessa experiência.

 

Os dois concertos

O primeiro espetáculo, “Cosmopolitismo do Barroco Português – Laços culturais e estéticos entre Itália e Portugal”, será no dia 26 de junho, às 21h00, na Sala do Trono, e estará a cargo do soprano Eduarda Melo e da Orquestra Divino Sospiro, dirigida por Massimo Mazzeo, que retoma as suas apresentações ao vivo.

 

O repertório é centrado no século XVIII, período de grande vitalidade musical em Portugal, fortemente influenciado pelas tendências italianas.

 

VEJA TAMBÉM: TAPADA NACIONAL DE MAFRA, A NATUREZA ÀS PORTAS DE LISBOA

 

Do programa constam obras da família Avondano, de Francisco António de Almeida, de Carlos Seixas, de Bononcini e de Domenico Scarlatti. Este espetáculo tem o apoio da Embaixada de Itália e do Instituto Italiano de Cultura de Lisboa.

 

A 3 de julho, às 19h00, na Sala da Música, atua o Ensemble Gli Accenti. O concerto “Musas do Seicento” permite tomar contacto com as obras de mulheres que se dedicaram à música no século XVII, proporcionando uma emocionante e original viagem pela alma feminina.

 

O papel das mulheres na música no período seiscentista é um tema pouco conhecido do grande público.

 

“Musas do Seicento” convida à descoberta deste universo quase secreto, no qual a alma feminina se revela através de obras de compositoras como Elisabeth Jacquet de la Guerre, Isabella Leonarda e Barbara Strozzi.

 

Os bilhetes para estes concertos, que decorrem de acordo com as normas da Direção-Geral da Saúde, custam 15€ e já estão disponíveis online no site da Parques de Sintra (www.parquesdesintra.pt).

 

“Verão em Queluz – Música barroca ao anoitecer” é uma iniciativa conjunta da Parques de Sintra e do Centro de Estudos Musicais Setecentistas de Portugal (CEMSP), que têm colaborado na recuperação da memória imaterial associada ao Palácio Nacional de Queluz, com uma programação integrada na da Rede Europeia de Música Antiga (REMA) e apoiada pela Direção-Geral das Artes (DGArtes).

 

 

 

 

 

Artigo anterior

Instinto ou cultural? O beijo vale mais do que mil palavras

Próximo artigo

Mulheres empreendedoras com acesso a projetos de consultoria gratuitos