Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Mulheres portuguesas estão a fazer acontecer

Mulheres portuguesas estão a fazer acontecer

Pinterest Google+
PUB

As mulheres portuguesas conduzem os destinos ao assumir a liderança de dois fortes pilares da nossa sociedade: a economia e a próxima geração, os seus filhos. Trabalham fora e assumem funções em bastiões tradicionalmente masculinos. Estão na liderança e no comando, com graça e estilo!

Com a taxa de divórcio a aumentar, elas assumem, sozinhas, as rédeas das suas vidas, das suas famílias e do bem-estar de todos. Esta realidade está mais vincada no centro e norte de Portugal, onde são agricultoras, produtoras de vinho, chefes de cozinha e CEO´s de negócios criativos. Alavancam as suas famílias, apoiam-se umas às outras, gerem as fábricas, são engenheiras, arquitetas, advogadas, marketers, designers e, em simultâneo, são mães, avós, filhas, irmãs, amigas, esposas, namoradas e acima de tudo são poderosas e continuam muito bem-dispostas! E sempre com muita graça.

Regressada de uma viagem de dois dias ao norte de Portugal, estou desapontada por não ter tido mais tempo para estar com estas mulheres fantásticas que conheci. São uma nova raça. Dinâmicas, educadas, jovens e menos jovens. Decidem ser o seu príncipe encantado. Seguindo os seus corações e paixões, aventuram-se em negócios que fazem crescer a economia e dar uma imagem de marca única a Portugal. Resistem e sobrevivem à crise. Sabem que se não tomarem conta de si ninguém tomará.

Neste périplo entre reuniões, via-as a negociar, a definir estratégias, a resolver problemas vários e a tratar dos assuntos de família. Mesmo assim reservam sempre tempo para consolar amigos, voluntariam-se, discutem política, economia e futebol. No fim do dia, ficam ainda mais lindas e têm tempo para ir tomar um copo. Como conseguem? Sabem gerir o tempo, encontrar minutos-extra para valorizar a sua comodidade, o seu bem-estar. Usam a sua sabedoria e inteligência emocional. Por isso, são obcecadas pela organização, pelo planeamento, mas nunca perdem a espontaneidade. Colocam as suas máscaras de oxigénio e enfrentam a vida, sempre com graciosidade e capacidade de ajudar outras nessa viagem. Acompanham a vida com alegria e muitos sorrisos.

Artigo anterior

PETA torna-se acionista da Hermès para pressionar contra uso de peles exóticas

Próximo artigo

Arte no metro