Home»GLAMOUR»CELEBRIDADES»Mulheres de Hollywood marcham contra Trump

Mulheres de Hollywood marcham contra Trump

Scarlett Johansson, America Ferrera, Katy Perry e Cher são algumas das celebridades que se vão manifestar no próximo sábado, em Washington, na ‘Women’s March Global’, um dia após a tomada de posse de Donal Trump.

Pinterest Google+

No próximo sábado, 21 de janeiro, um dia após a tomada de posse de Donald Trump como Presidente dos Estados Unidos da América, milhares de mulheres, entre elas estrelas de Hollywood, vão marchar pela defesa dos direitos humanos, que consideram ameaçados pela futura administração.

 

«A Woman’s March [Marcha das Mulheres] em Washington pretende enviar uma mensagem a todos os níveis da governação, incluindo a próxima presidência, de que estamos juntas na defesa da solidariedade e esperamos que os líderes eleitos protejam os direitos das mulheres, das suas famílias e das comunidades», revela a organização em comunicado.

 

Veja também: Beyoncé eleita a mais solidária de 2016

 

A imprensa internacional dá conta do empenho de muitas estrelas de Hollywood, entre elas Scarlett Johansson, America Ferrera, Katy Perry e Cher, que já manifestaram desejo de participar nesta manifestação.

 

A marcha, que terá lugar em Washington, entre as 10h00 e as 17h00, conta já com 206 mil confirmações no evento criado no Facebook e 254 mil intenções de participação. Porém, é expectável mais 300 eventos associados um pouco por todo o mundo, num total de um milhão de pessoas.

 

Veja também: Cristiano Ronaldo, o modelo de serviço

 

«Uma marcha desta magnitude, que atravessa uma diversidade de temas, nunca aconteceu antes. Temos todos de ficar unidos como uma força que ninguém pode ignorar», declarou Kaylin Whittingham, presidente da Associação de Mulheres Negras Advogadas, à Euronews.

 

«Temos de reafirmar os valores norte-americanos da liberdade e da democracia para todos, num momento em que muitos temem que as suas vozes sejam perdidas, nomeadamente no que toca aos direitos das mulheres, direitos dos imigrantes, direitos dos trabalhadores, direitos reprodutivos, direitos LGBT, direitos ambientais e de liberdade religiosa», concluiu Whittingham.

 

Artigo anterior

Shakira recebe Prémio Cristal no Fórum Económico Mundial

Próximo artigo

Quer fazer um bom exame? Conte a um amigo o que aprendeu