Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Mulheres continuam a ganhar menos do que os homens em Portugal

Mulheres continuam a ganhar menos do que os homens em Portugal

Novo relatório da Comissão de Cidadania e Igualdade de Género revela dados estatísticos que refletem a realidade das mulheres e dos homens no país.

Pinterest Google+
PUB

Apesar de mais escolarizadas, as mulheres continuam a ganhar menos e a desempenhar menos cargos de poder do que os homens em Portugal, apresenta o novo relatório da Comissão de Cidadania e Igualdade de Género (CIG).

 

Depois de a última edição ter sido publicada em 2017, a edição atualizada do panorama da igualdade de género em Portugal, denominada ‘Igualdade de Género em Portugal – Boletim Estatístico 2021’, mostra vários dados estatísticos que refletem a realidade das mulheres e dos homens no país.

 

Outros dados mostram que as tarefas domésticas continuam maioritariamente do lado feminino; apesar de ambos estarem presentes no mercado de trabalho.

 

VEJA TAMBÉM: DISPARIDADE DE GÉNERO TEM VINDO A DESCER, MAS HOMENS AINDA GANHAM MAIS 20%

 

Ao nível da saúde também há diferenças. Apesar de as mulheres viverem mais do que os homens (83,7 anos vs 78,1 anos), estes têm mais anos de vida saudável do que as mulheres. De salientar também que há mais mulheres do que homens em Portugal (52,8% vs 47,2%).

 

Na educação, a conclusão de todas as modalidades de ensino é superior nas mulheres. No ensino superior, as mulheres estão maioritariamente matriculadas em cursos na área da saúde e proteção social (representam 76,9% do universo), na educação (77% são mulheres) e nas ciências sociais (66%). Pelo contrário, estão sub-representadas nos cursos de tecnologias de informação e comunicação (TIC) (apenas 17% são mulheres) e nas engenharias (28%).

 

A violência doméstica é outro dos temas retratados no relatório, aferindo que esta atinge desproporcionalmente as mulheres e que as ocorrências registadas têm vindo a aumentar. Em 2019, houve um pico de mais de 29 mil ocorrências registadas, tendo descido em 2020, ano de pandemia. Porém, o número de condenações não chega às 1800 por ano.

 

O relatório também conclui que foram as mulheres as principais vítimas da pandemia em várias esferas da vida. Foram, por exemplo, os principais alvos de desemprego. Para aceder a mais dados, consulte o relatório.

 

Artigo anterior

Churros com chocolate para aquecer uma tarde gelada

Próximo artigo

Estudo inovador prova que cães conseguem distinguir diferentes línguas