Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Movimento quer quebrar o silêncio das mulheres que sofrem de miomas uterinos

Movimento quer quebrar o silêncio das mulheres que sofrem de miomas uterinos

Julho é o mês da consciencialização para os miomas uterinos. Movimento “EU VISTO BRANCO” desafia os portugueses a apoiar esta causa. Estima-se que cerca de dois milhões de mulheres em Portugal tenham miomas uterinos.

Pinterest Google+
PUB

Durante o mês de julho, mês da consciencialização para os miomas uterinos, vai decorrer o promovido no âmbito da campanha WTF: Mulheres que falam de miomas. A iniciativa pretende desafiar todos os portugueses a vestir-se de branco e a publicar uma fotografia nas suas próprias redes sociais, utilizando a hashtag #euvistobranco.

 

O movimento “EU VISTO BRANCO” pretende quebrar o silêncio das mulheres que sofrem com esta doença, sensibilizando para os principais sintomas associados aos miomas uterinos, bem como alertar para o fator mais comum entre as mulheres que sofrem desta doença – o sofrimento em silêncio.

 

VEJA TAMBÉM: MIOMAS UTERINOS: O QUE DEVE SABER

 

O vestido branco é internacionalmente associado aos miomas uterinos, uma vez que a maioria destas mulheres não gosta de usar branco devido às hemorragias menstruais abundantes relacionadas com a doença.  Assim, neste mês, este movimento visa passar uma mensagem de esperança e de força a todas as mulheres que sofrem diariamente com esta doença, para que quebrem o silêncio e procurem ajuda médica.

 

Este movimento estará presente nas redes sociais Facebook e Instagram, com diferentes protagonistas.

 

A plataforma da campanha “WTF: Mulheres que falam de miomas” reúne um conjunto conteúdos, que visam informar as mulheres sobre esta doença. Em julho, serão atualizados os conteúdos com vídeos de gestão de dor com exercícios dirigido às mulheres que sofrem com esta patologia.

 

Estima-se que cerca de dois milhões de mulheres em Portugal tenham miomas uterinos, com sintomas que englobam hemorragias, dor e perturbação na vida sexual da mulher, levando muitas vezes ao absentismo laboral. Existe um forte impacto na saúde psicológica da mulher, havendo ainda uma grande dificuldade em exteriorizar o sofrimento diário associado à doença.

 

 

Artigo anterior

Menos stress, mais surf: 5 benefícios do surf para a saúde

Próximo artigo

Cidade do Zero ensina a sustentabilidade de forma lúdica