Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Miomas uterinos: os tratamentos que existem

Miomas uterinos: os tratamentos que existem

Miomas são tumores benignos do útero, também chamados de fibroleiomiomas. Crescem a partir das células musculares do útero e podem desenvolver-se para o interior ou exterior do útero ou estarem limitados à parede uterina

Pinterest Google+
PUB

Se não há sintomatologia, geralmente não há necessidade de tratamento, mas é sempre importante considerar se a mulher pretende ou não preservar a sua fertilidade. Quando necessário, o tratamento pode ser médico ou cirúrgico.

 

Tratamento médico

– Análogos da GnRH – São comumente utilizados no tratamento médico dos miomas, muitas das vezes de forma temporária e antes de uma cirurgia, estes medicamentos causam uma redução dos níveis de estrogénios e condicionam muitas das vezes a paragem da menstruação. Essa falta de períodos pode ajudar as mulheres a recuperar de uma anemia relacionada com hemorragias abundantes ou pesadas. Como a descida prolongada dos estrogénios tem efeitos adversos, essa medicação só pode ser temporária.

– Acetato de Ulipristal – É um novo medicamento específico e muito eficaz para o tratamento dos miomas.

– Inibidores da Aromatase (Letrozole) – Funcionam reduzindo os níveis de estrogénios e causando diminuição dos miomas.

– Antagonistas da Progesterona (Mifepristone)

 

VEJA TAMBÉM: MIOMAS UTERINOS: O QUE DEVE SABER

 

Tratamento cirúrgico

O tipo de cirurgia depende do tamanho, número e localização dos miomas. Obviamente que uma mulher com infertilidade e que quer preservar o seu útero deve ser tratada de forma diferente de uma mulher perto da menopausa com filhos, que não deseja preservar a fertilidade.

 

Os procedimentos cirúrgicos que se realizam no sentido de preservar a fertilidade incluem:

– Miomectomia por via abdominal — Miomectomia significa remoção de um mioma. Numa miomectomia abdominal, o médico realiza uma incisão abdominal para aceder ao útero e remove os miomas. Esta é a abordagem apropriada para as mulheres que desejam ter filhos e com múltiplos ou grandes miomas.

 

VEJA TAMBÉM: SILVIA ROQUE: «HÁ MAIOR INCIDÊNCIA DE MIOMAS UTERINOS NA PERIMENOPAUSA»

 

– Miomectomia por via laparoscópica — Neste procedimento os miomas são removidos por laparoscopia, onde é introduzida uma câmara dentro da cavidade abdominal por uma incisão abaixo do umbigo. Através dela o cirurgião pode visualizar o útero. Pequenas Incisões adicionais permitem a introdução de outros instrumentos cirúrgicos que podem ser manipulados de modo a remover os miomas e reparar o útero. É o tipo de procedimento adequado a uma mulher com miomas mais pequenos localizados na zona mais superficial do útero.

 

– Miomectomia por histeroscopia — Tal como no caso do diagnóstico de miomas, a histeroscopia implica a introdução de uma pequena câmara através da vagina e colo do útero até a cavidade uterina. Acoplada a essa câmara o cirurgião pode introduzir instrumentos cirúrgicos próprios com os quais pode remover miomas localizados na cavidade uterina.

 

Complicações cirúrgicas

São pouco frequentes as complicações graves, mas podem incluir hemorragia, infeção, lesões de outros órgãos, complicações anestésicas e mesmo morte. Em certas circunstâncias muito raras pode ocorrer lesão uterina que implique histerectomia (remoção do útero).

 

As miomectomias podem implicar riscos nas gravidezes subsequentes, nomeadamente de rutura uterina, sendo muitas vezes recomendada a cesariana.

 

mulher com mão no ventre

Outros tipos de tratamento

Embolização das artérias uterinas – Procedimento de radiologia de intervenção realizado por médicos radiologistas. Usando raios X, introduz-se um cateter através de vasos sanguíneos até ao útero visualizando-se de modo detalhado a vascularização dos miomas. São introduzidas minúsculas esferas que entopem os vasos do mioma causando a sua necrose (morte celular). Pode não ser o método mais indicado para quem pretende preservar a fertilidade, pois estudos recentes parecem demonstra que a vascularização ovárica pode ficar comprometida “acelerando a menopausa”. Parecem também haver mais complicações nas gravidezes subsequentes com este procedimento.

 

Controvérsia

Existe muito debate entre os especialistas acerca de quando deve ser realizada uma miomectomia no contexto de uma mulher com infertilidade. A maioria concorda que, quando os miomas estão na cavidade causando distorção significativa, devem ser removidos, mas e um pequeno mioma único localizado na parede muscular que não altera a cavidade? E se forem dois? E o que fazer acerca de um grande mioma pediculado apenas ligado ao útero por um fino pedículo? A controvérsia continuará a existir porque é muito difícil realizar estudos que provem os efeitos da miomectomia.

 

(Texto elaborado com a colaboração do Dr. Miguel Tuna)

 

Leia também: Miomas uterinos: o que deve saber

 

Artigo anterior

O signo de Carneiro em 2022

Próximo artigo

O signo de Touro em 2022