Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Mini contracetivo transdérmico chega a Portugal

Mini contracetivo transdérmico chega a Portugal

Já está disponível o novo mini contracetivo transdérmico que vem revolucionar a opção na escolha de contracetivos, isto porque é o primeiro adesivo transparente, de baixa dosagem e em tamanho pequeno.

Pinterest Google+

Acaba de chegar a Portugal uma nova solução de contraceção para mulheres: um mini adesivo transdérmico.

 

Esta inovação marca os 10 anos de espera por novas opções nesta área e promete ser um excelente aliado das mulheres mais esquecidas quer no controlo da sua contraceção quer na oferta de uma nova alternativa aos métodos contracetivos disponíveis até ao momento.

 

O mini adesivo contracetivo em questão «é o único disponível no mundo que oferece às mulheres características diferenciadoras que não se encontram nos restantes adesivos». Além disso, é a primeira opção transdérmica de baixa dosagem «acessível às mulheres a nível mundial, mais fina e discreta comparativamente ao outro adesivo», explica Joaquim Neves, médico especialista em ginecologia obstetrícia do Centro Hospitalar Lisboa Norte e presidente do Conselho Fiscal da Sociedade Portuguesa de Contraceção (SPDC), citado no comunicado de imprensa.

 

E para as mulheres que se queixam do esquecimento frequente da pílula, este novo adesivo «demonstra maior adesão em comparação com a pílula», acrescentou o médico.

 

Joaquim neves mostra-se a favor desta alternativa: «O mini adesivo contracetivo mostra um valor acrescentado para todas as mulheres que não estão satisfeitas com a contraceção atual, uma vez que esta opção é esteticamente mais apelativa e mostra uma boa aderência pelo que as várias atividades diárias (exercício físico) não têm repercussões na deslocação do adesivo», avançou o especialista.

 

Sujeito a receita médica, o mini adesivo contracetivo é um método de contraceção com as mesmas características da pílula, mas é «constituído por um fino adesivo que se aplica sobre a pele, transferindo diariamente, para a via sanguínea as hormonas que inibem a libertação do óvulo».

 

De acordo com a nota enviada à imprensa, o adesivo, «único método com periodicidade semanal”, deve ser colocado em zonas como o abdómen, as nádegas, o dorso e a parte posterior do braço.

 

O preço mensal deste novo mini adesivo ronda os 12 euros e pode ser adquirido nas farmácias.

Artigo anterior

Ver, Falar, Sentir

Próximo artigo

Barbas & Bigodes: o regresso aos anos 60 e 70