Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Millennials e lojas físicas: a rutura está longe de acontecer

Millennials e lojas físicas: a rutura está longe de acontecer

Estudo internacional realizado em 17 países europeus mostra que nem tudo se transferiu para o mundo digital. O prazer de fazer compras em lojas físicas continua a atrair as pessoas, incluindo as nativas digitais. Mas a exigência, essa, é maior, revela o estudo Observador Cetelem Consumo 2018.

Pinterest Google+

O contexto digital e o comércio online têm vindo a desafiar os modelos de distribuição tradicionais. No entanto, 57% dos Millennials europeus e 58% dos portugueses surpreendem quando afirmam que gostam e lhes dá prazer fazer compras, para além de continuarem a preferir as lojas físicas ao comércio online. Uma ideia contrária à quase exclusiva visão digital e menos consumista a que nos habituámos a fazer desta geração.

 

No entanto, em comparação com a população em geral, os Millennials integram mais o digital na sua experiência de consumo e querem que as lojas tenham em consideração as suas preferências.  Para os diferentes players do retalho, o desafio está em saber como ir ao encontro das elevadas expetativas desta geração, com o objetivo de poder enfrentar os gigantes do mundo online. Até porque se são hoje relevantes, serão os principais atores e consumidores no futuro próximo.

 

VEJA TAMBÉM: O QUE DETERMINA A ESCOLHA DE UM DESTINO DE VIAGENS PARA OS MILLENNIALS? QUE DÊ BOAS FOTOS PARA O INSTAGRAM

 

Segundo o estudo, contrariamente aos choques que registámos nos últimos anos, os resultados deste Observador Cetelem Consumo 2018 confirmam o reencontro com o otimismo e a confiança em todos os países europeus. Quer quando avaliam a situação no seu país, quer a sua situação pessoal, os consumidores veem um futuro promissor.

 

Em tempos de crise, os mais jovens estiveram desencantados e até resignados. Por outro lado, é um hábito secular e continuamos a não fugir à regra: as gerações mais velhas tendem a fazer duros julgamentos das gerações mais novas, o que não contribui em nada para corrigir essa imagem sombria. Surpreendentemente, esta edição do Observador Cetelem Consumo 2018 demonstra que isto não se verifica entre os Millennials europeus e, igualmente, entre os portugueses. Esta é uma geração positiva, com entusiasmo lúcido. Num momento em que o otimismo floresce, veem também o futuro com um “otimismo racional”.

 

VEJA TAMBÉM: APAIXONE-SE PELO SEU TRABALHO: DICAS PARA OS MILLENNIALS

 

Ao longo deste estudo, foram também decifrados comportamentos dos Millennials portugueses revelando-se que não são muito diferentes dos seus congéneres europeus em matérias de consumo. A globalização teve consequência na caracterização dos grupos, cada vez mais homogéneos, revela a análise.

 

É ainda importante verificar que a Geração Y do nosso país se destaca das restantes na sua orientação e dedicação ao trabalho, fruto da conjuntura económica do início da década, que privou muitos de oportunidades e os obrigou a atalhar por caminhos inicialmente pouco expectáveis. Por fim, é igualmente relevante destacar o futuro do comércio físico imaginado por esta geração. Para muitos, na próxima década muitas das imagens que nos habituámos ver em histórias de ficção científica serão postas em prática e tornar-se-ão realidade: do atendimento virtual ao A-commerce.

 

VEJA TAMBÉM: ESTÁS NA CASA DOS 20? APRENDE A GERIR O TEU DINHEIRO

 

O Observador Cetelem Millennials 2018 tem por base um estudo quantitativo efetuado em 17 países europeus. O inquérito quantitativo ao consumidor foi realizado pela Kantar TNS entre 2 de outubro de 2017 e 2 de novembro de 2017 sobre uma amostra de 13 800 indivíduos, com idade entre 18 a 75 anos e uma amostra adicional de 3 400 indivíduos entre 18 e 34 anos (Millennials). Em Portugal foram inquiridos 1000 indivíduos. Destes, cerca de 500 têm entre 18 e 34 anos. Foi utilizada a técnica CAWI. Estes indivíduos foram retirados de uma amostra nacional representativa de cada país. O método utilizado para garantir representatividade é o de amostragem por quotas (género, idade, categoria socioprofissional/ rendimento, região).

 

Países participantes no estudo: França (FR): 1200 pessoas inquiridas. Alemanha (DE), Áustria (AT), Bélgica (BE), Bulgária (BG), Dinamarca (DK), Espanha (ES), Hungria (HU), Itália (IT), Noruega (NO), Polónia (PL), Portugal (PT), República Checa (CZ), Roménia (RO), Reino Unido (UK), Eslováquia (SK), Suécia (SU): 1000 pessoas inquiridas por país.

 

Artigo anterior

Cristiano Ronaldo sempre a bater recordes: mais de 23 mil notícias em três dias

Próximo artigo

Já pode concorrer ao Melhor Sabor de Portugal