Home»FOTOS»Médio oriente, pouco doce e alimentos funcionais, eis as novas tendências gastronómicas

Médio oriente, pouco doce e alimentos funcionais, eis as novas tendências gastronómicas

São seis os sabores que estão a emergir nas novas tendências gastronómicas, com destaque para a utilização de novos ingredientes oriundos de todo o mundo e para a criação de pratos onde prevalece a preocupação com a alimentação saudável. Segundo uma nova pesquisa levada a cabo pela consultora Mintel, as novas tendências prometem alterar o panorama mundial da gastronomia.

Pinterest Google+

A consultora Mintel anunciou os principais sabores que estão a fazer sucesso em 2018 e que prometem revolucionar o foodservice do futuro. Inspirações vindas do Médio Oriente aplicadas em novas experiências, sobremesas menos doces e a utilização crescente de alimentos funcionais para uma alimentação saudável estão no top três das seis inovações previstas.

 

«As tendências de sabor que afetam a indústria de foodservice de hoje são todas sobre ingredientes que servem um propósito. Seja tornando sobremesas menos doces, pratos mais saudáveis ou expandindo o que já é saboroso», pode ler-se no relatório divulgado.

 

Entre os principais sabores que já agitam a culinária, estão os do Médio Oriente. A possibilidade de fundir vários sabores numa combinação perfeita é já uma fonte de inspiração para os cozinheiros de todo o mundo.   No campo das sobremesa, o azeite e o vinagre, por exemplo, entram agora nas receitas, conferindo-lhes alguma cor e um sabor peculiar. O azeite como aroma em sobremesas cresceu 16% entre 2015 e 2017, de acordo com a consultora.

 

VEJA TAMBÉM: CURCUMA, O CONDIMENTO INDIANO QUE MELHORA (TAMBÉM) A MEMÓRIA E O HUMOR

 

Os olhos também comem e alguns ingredientes saudáveis diferentes estão a ser adicionados aos pratos. Alho preto, algas e rabanetes fazem parte desta lista, não devido ao seu sabor, mas pela cor que conferem ao prato. De acordo com a sondagem, 51% das pessoas afirmaram estar dispostas a provar um ingrediente desconhecido desde que lhes forneça algum benefício funcional.

 

A previsão da consultora passa também pela introdução de misturas de especiarias, molhos e condimentos, o que confere diferentes sabores aos alimentos. Criatividade e equilíbrio é o que se espera dos chefs que abracem estas tendências.

 

Como o mundo é uma aldeia global, o acesso a novos ingredientes permite conhecer sabores muito distantes. E uma forma fácil de tomar contacto com eles é através de novos molhos, servidos como entrada ou como acompanhamento.  Depois, com confiança, é tentar algo mais arrojado já nos pratos principais.

 

VEJA TAMBÉM: QUER PERDER PESO? REGRESSE HOJE AOS ALIMENTOS REAIS

 

Por fim, os consumidores querem o sabor animal, mas noutras variantes. E não são apenas os veganos ou vegetarianos, os consumidores no geral querem mais variedade de escolha, revela a consultora. Estes sabores podem ser alcançados através dos mesmos métodos que normalmente são usados para cozinhar carnes, como curar, grelhar e fumar. O fumado é, alías, um dos alimentos que mais cresce em termos de sabores, nomeadamente em peixe, feijão e legumes. Temperos normalmente usados com carnes vermelhas, como pastrami especiarias, também pode sugerir um sabor de carne quando usado com outros ingredientes, incluindo peixe e legumes.

 

«O sabor é uma arte em constante evolução, repleto de oportunidades de interpretação, inovação e criatividade. Hoje, essa oportunidade está na expansão de sabores e ingredientes internacionais e, nos próximos anos, prevemos que a ingenuidade dos novos pratos resulte na melhoria da química dos ingredientes para criar obras de arte gastronómicas», explica Amanda Topper, diretora de pesquisa da área alimentar da Mintel.

 

Na galeria, no início do artigo, ficar a saber mais sobre os seis sabores tendência e algumas curiosidades que a estes se referem.

Artigo anterior

Pele: beleza e longevidade com a Ayurveda

Próximo artigo

Beja, da freira apaixonada aos bailes da alta sociedade