Home»BEM-ESTAR»NUTRIÇÃO»Massa, pasta, di massa, masse: o alimento intemporal que afinal faz bem

Massa, pasta, di massa, masse: o alimento intemporal que afinal faz bem

Há quem goste dela bem cozida, há quem goste dela ‘al dente’. Existe em diferentes cores e feitios e a sua composição nutricional é benéfica para o nosso corpo e recomendada por vários especialistas. Saiba mais sobe este alimento controverso na altura em que se assinala a Semana da Cozinha Italiana no Mundo.

Pinterest Google+

A sua origem perde-se no tempo, mas reza a lenda que a massa começou a ser confecionada logo que o homem descobriu que poderia moer cereais e obter uma pasta ao junta-los a água. A partir daí, entrou na alimentação humana.

 

A maioria das massas é feita com produtos de trigo misturados com água, mas existem ainda outros tipos de massas feitos com ingredientes como o arroz, a cevada, o milho e o feijão. A grande maioria das massas não contém ovo (massas secas) e apresenta-se numa tonalidade bege. No entanto, existem noutras cores como, por exemplo, verde (leva espinafres), vermelha (leva tomate), cinzenta (tinta de lula), transparente ou ‘celofane’, entre muitas outras.

 

VEJA TAMBÉM: COM OU SEM CASCA? COMO DEVE SER INGERIDO O QUIVI?

 

Em Itália, tido como o país da ‘pasta’, uma pessoa come em média, por ano, 51 quilos de massa. Este alimento é uma fonte nutritiva, em particular de hidratos de carbono. Estes ajudam a saciar a fome e a potenciar a energia que é libertada lentamente com o tempo. Para que tenha noção, uma dose de 140g de esparguete tem 42,95g de hidratos de carbono, 1,29g de lípidos e 8,06g de proteína. Se o que o preocupa são as fibras, um composto químico de extrema importância para a saúde humana e que ajuda a saciar e a regular o sistema digestivo, 140g de esparguete comum tem 2,5g de fibra enquanto o esparguete de trigo integral, na mesma quantidade, tem 4,5g.

 

A massa, todos sabemos, tem sido associada a uma alimentação descuidada e pouca amiga de quem quer perder peso. Mas esta ideia tem vindo a mudar e já há estudos recorrentes a dizer que a massa, afinal, não engorda. Segundo Magda Roma, nutricionista e autora do livro ‘A Dieta Anti-cancro’, a fibra permite a «diminuição de absorção de colesterol e gordura pela via alimentar, previne diabetes, pela captação de açúcar para o interior da fibra, previne excesso de peso e obesidade pela saciedade que proporciona, previne vários cancros, melhora o trânsito intestinal, etc». Posto isto, o consumo de massa rica em fibra fornece imensos benefícios.

 

VEJA TAMBÉM: ESTUDO IDENTIFICA AS COMIDAS MAIS VICIANTES: CONHEÇA O TOP 10

 

De acordo com um estudo, apresentado na reunião anual da Sociedade de Obesidade Americana, os adultos que consomem mais massa apresentam uma dieta com melhor qualidade no geral. Além disso, estas pessoas estão a consumir maiores quantidades de nutrientes de déficit, incluindo folato, ferro, magnésio e fibra dietética. Este estudo descobriu ainda que os consumidores de massa ingerem mais nutrientes essenciais, menos gordura saturada e menos açúcares adicionados em comparação com aqueles que não comem massas.

Artigo anterior

Zamboa, o limão gigante que cura quase tudo

Próximo artigo

Os mercados de Natal mais fascinantes do mundo