Home»S-Vida»Marcas: alguns bichos de sete cabeças fazem sentido

Marcas: alguns bichos de sete cabeças fazem sentido

O mundo de hoje é um lugar em que se luta a favor dos direitos da comunidade LGBTQ+, da igualdade de raça e género, do feminismo, da preservação do meio ambiente, da ética e sustentabilidade das empresas, entre outros temas

Pinterest Google+
PUB

Num daqueles famosos grupos de marketing no WhatsApp, onde se juntam profissionais da indústria, foi partilhado um anúncio: Um homem jovem, bem-parecido, sai do duche e senta-se na cama de boxers agarrado ao telemóvel. A voz-off vai nos contando os seus pensamentos e ele faz o seu scroll matinal. “Bem, vamos lá ver o que encontro hoje. Hummm, tão booom. Hum, 40? Está bem conservada… mas prefiro mais novas. Beeem, que belas prateleiras! TUDO no sítio. Marcamos encontro às 18?” O encontro era com um agente imobiliário do Idealista. Com esta pequena síntese poderão imaginar o seguimento da conversa.

 

Alguns profissionais mostraram desagrado dizendo que não acreditam como ‘ainda se faz disto’, e que ‘brincar às marcas pode sair muito caro’. Outros passaram um pano por cima de um tema que deve ser discutido, dizendo que ‘o politicamente correto vai matar a nossa indústria’. Segue-se dizendo que o anúncio era apenas uma má utilização de ironia comparando uma casa a alguém que conhecemos no Tinder, “que by the way, é uma das apps mais instaladas em Portugal…ups moralistas”. Imaginem a minha surpresa quando me apercebo de que alguém, seguramente mais maduro e experiente do que eu, possa pensar que esse era o problema: uma ironia infeliz e uma referência a uma app de encontros. Aparentemente fazer uma crítica a este tipo de conteúdo e utilizar o Tinder são ações incompatíveis.

 

VEJA TAMBÉM: A ABORDAGEM MULTIDISCIPLINAR DO MARKETING

 

Na minha humilde opinião, a marca, nesta peça de comunicação, demonstra uma enorme falta de sensibilidade para detectar o tipo de mundo e momento em que vivemos. Simples.

 

Eu faço parte de uma geração maravilhosa, mas que se ofende com tudo. Uma palavra fora do contexto é um bicho de sete cabeças. Uma expressão menos feliz é um 31.

Enfim, sabem do que falo. Como se todos fossemos sempre moralmente corretos. Eu inclusive sim, porque aqui e ali farei o mesmo. E claro que por vezes é um exagero.

 

Justifica-se que os ‘não-ofendidos’ se perguntem como é que vivemos num mundo tão livre, mas tão crítico? Mas aqui entra o discernimento das marcas, que tem que ser sempre maior e melhor do que o de um indivíduo por si só.

 

Novo posicionamento das marcas

O mundo de hoje é um lugar em que se luta a favor dos direitos da comunidade LGBTQ+, da igualdade de raça e género, do feminismo, da preservação do meio ambiente, da ética e sustentabilidade das empresas, entre outros temas.

 

Todas as marcas vivem debaixo de um microscópio e os consumidores são perspicazes. Têm garra e plataformas suficientes para criticar e arrasar com as marcas que não se enquadram. E enquadrarem-se pode apenas significar que estarão a tentar acompanhar a evolução natural das coisas, os valores do consumidor que sustentam o negócio. Ou estarão, efetivamente, a ser corretas, porque algo foram aprendendo com o tempo e têm boas intenções, ou estarão a ser inteligentes e perspicazes, e a ter em conta que as marcas que vão sobreviver são as que se adaptam ao agora. E isto não é ser politicamente correto.

Nenhuma marca deve sê-lo, porque isso é detetado e não é apreciado. Aí concordo plenamente com o +351 91x xxx xxx que fez o comentário acima referido. E todas as marcas devem, na minha opinião, arriscar. Eu sou pro-riscos, pro-boldness, pro-sair-fora- da-caixa! Mas o risco tem que se adaptar inteligentemente aos dias que correm, para compensar e obter resultados positivos. Se não há uma planner por aí que escreve um artigo a falar mal da marca…

 

Regressando ao tema inicial: o anúncio do Idealista. Este não foi bold. Não foi bem conseguido. Não se enquadrou no agora. E não digo isto porque é ofensivo, porque isso é uma opinião subjetiva. E tão pouco digo isto porque existiu referência a uma app de encontros. Go Tinder!

 

A razão pelo qual o anúncio é mau, objetivamente, é porque não tem em conta o mundo em que vivemos. Incentiva a masculinidade tóxica, transmitindo a ideia de que um homem é mais ‘cool’ e desejável se falar assim de uma mulher, levando-nos ao tema da objetificação da mesma. Se esta ‘brincadeira’ tivesse sido feita de outra maneira, com outro tom, outra linguagem, a coisa era muito diferente. E no entanto, nesse caso, ninguém teria entendido a ironia, não é verdade?

 

Resumindo, com boa ou má utilização de ironia, e com ou sem a referência ao Tinder, o conteúdo é mau porque brinca com temas que sensibilizam muita gente no momento atual, e incentiva um tipo de comportamento que se quer combater. Esse foi o real problema.

 

Para terminar deixo uma nota pessoal, que vale o que vale. Eu entendo que muitos foram educados para crer que não tem problema falar de uma mulher da maneira a que se faz referência aqui. Que possa sair naturalmente e sem maldade. Que por mais que digamos que não está correto, em muitos cenários, é algo que continuará a acontecer. Arrisco-me a dizer que nalguns destes cenários é uma atitude ‘desculpável’, mas na grande maioria não é, especialmente associado a uma marca! Não é por uma razão muito simples.

 

Nenhum homem a ler isto se sentiria bem com outro homem a falar da mãe, irmã, mulher ou filha dessa forma. Evoluímos diariamente em tanto. Vamos lá evoluir nisto também.

 

Por Matilde Silva Gomes,

Planner da LOLA NORMAJEAN

 

 

Artigo anterior

Tratamento de remodelação facial preferido por celebridades dos EUA chega a Portugal

Próximo artigo

Como reconhecer se um vinho está estragado