Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Mais fruta e legumes: a pandemia alterou o tipo de alimentos que compramos

Mais fruta e legumes: a pandemia alterou o tipo de alimentos que compramos

Estudo do instituto YouGov analisou o padrão de consumo durante a pandemia em 17 países, entre os quais a Alemanha, França, EUA, México e EUA. México e Singapura destacam-se com o aumento do consumo de produtos frescos a rondar os 50%.

Pinterest Google+
PUB

Os comportamentos de compra de alimentos em todo o mundo sofreram mudanças significativas desde que a pandemia de COVID-19 se instalou. Com a incerteza sobre quanto tempo durariam os confinamentos, no início da pandemia, muitos consumidores aglomeraram-se em supermercados e mercados para armazenarem alimentos e bebidas. Também houve mudanças nos tipos de alimentos que as pessoas compraram, com muitas, em todo o mundo, a dizerem que aumentaram o consumo de frutas / vegetais frescos, laticínios e junk food. Os dados são de um novo relatório global do instituto YouGov, que investigou as mudanças nos padrões de consumo e compra de alimentos dos consumidores em 17 países.

 

O International FMCG / CPG Report 2021 destaca as principais tendências de compras de alimentos neste ano, quantificando a mudança para transações online e revelando o impacto da pandemia nas rotinas de compras de alimentos. O documento também explora as mudanças relacionadas à pandemia nas compras de alimentos, álcool e cosméticos e revela as atitudes dos consumidores em relação às compras locais e sustentáveis ​​no mundo pós-COVID-19.

 

Uma análise de quatro categorias de gastos com alimentos (fruta/vegetais frescos, laticínios, refeições prontas resfriadas e junk food) revela que consumidores de mercados importantes em todo o mundo aumentaram o seu consumo nestas categorias.

 

VEJA TAMBÉM: SOJA, ÓLEO DE PALMA E CARNE DE BOVINO: CONSUMO NOS PAÍSES EUROPEUS ESTÁ A DEVORAR FLORESTAS NOS TRÓPICOS

 

Mudanças no consumo de fruta, vegetais e laticínios

Embora o armazenamento de alimentos tenha resultado do medo e da incerteza do consumidor nos primeiros meses da pandemia, os confinamentos e as restrições aos restaurantes também levaram muitas pessoas a descobrir (ou redescobrir) a paixão por cozinhar em casa. Um número significativo de compradores de alimentos em países como Austrália, França, Alemanha, México, Singapura, Reino Unido e EUA aumentaram o seu consumo de fruta/ vegetais frescos e produtos lácteos desde o início da pandemia.

 

O aumento da procura por fruta e vegetais é especialmente evidente no México e em Singapura, onde cerca de metade de todos os consumidores de alimentos disseram que aumentaram o consumo de itens dessa categoria. Os produtos lácteos também se tornaram significativamente mais populares em Singapura e no México no ano passado.

 

Os snacks dispararam no meio da pandemia, mas algumas partes do mundo resistiram à junk food. Muitos consumidores relataram que passaram a fazer lanches mais regularmente durante a pandemia. O consumo de lanches aumentou na Austrália, França, Reino Unido e EUA, quase ao nível do aumento da procura por fruta e vegetais frescos.

 

Mas isso não conta toda a história. Uma parte das pessoas em cada país enfrentou a pandemia comendo menos junk food. Isto aconteceu sobretudo no México, onde alguns estados aprovaram a proibições de vendas de junk food para menores. E entre os consumidores de França, Reino Unido, Estados Unidos, Austrália e Alemanha, cerca de 15% a 18% dizem que comeram menos junk food durante a pandemia.

 

VEJA TAMBÉM:

CONSUMO: SALVEM-NOS DO RIDÍCULO

O CONSUMIDOR ESTÁ A MUDAR: CONHEÇA AS TENDÊNCIAS DE COMPORTAMENTO ATÉ 2030

DO BAMBU AO BIOPLÁSTICO: A SUSTENTABILIDADE CONQUISTA O MUNDO DO CONSUMO

CONSUMO CONSCIENTE: APRENDA A IDENTIFICAR OS ADITIVOS ALIMENTARES

VAMOS ÀS COMPRAS? DICAS PARA REDUZIR O CONSUMO DE PLÁSTICO

Artigo anterior

O top das cidades com mais parques verdes em Portugal

Próximo artigo

Legumes frescos ou congelados: qual a melhor opção?