Home»S-Atualidade»Mais de metade da população adulta sofre de doenças reumáticas

Mais de metade da população adulta sofre de doenças reumáticas

As doenças reumáticas são, nos países desenvolvidos, das doenças que mais afetam a população, causando dor e incapacidade para o trabalho, bem como para as atividades da vida diária. Hoje é Dia Mundial das Doenças Reumáticas.

Pinterest Google+
PUB

A lombalgia é outra patologia muito frequente. É muito importante reconhecer o que pode estar a causar este sintoma e despistar sinais de alarme. Na esmagadora maioria dos casos não é uma situação de risco e o doente rapidamente recupera e pode voltar à sua atividade normal. Outras vezes pode ter um caracter inflamatório e ser um sintoma inicial de uma espondilartrite.

 

Apesar de os sinais e sintomas destas doenças variarem entre elas, podemos de, uma forma geral, dizer que estes doentes se queixam de dor, limitação de movimentos, por vezes inflamação das articulações (com calor e inchaço), rigidez quando se movimentam, fraqueza, fadiga. Em adição, apresentam também sintomas de ansiedade e depressão com mais frequência do que a população portuguesa em geral. Se estes sintomas durarem mais de 2 a 3 semanas, o doente deve procurar o seu médico de Medicina Geral e Familiar, que, em caso de necessidade, o orientará para uma consulta de Reumatologia.

 

Hoje dispomos de muitos tratamentos eficazes para controlar estas doenças, conseguindo que os que delas sofrem possam ter uma vida perfeitamente normal e com qualidade. Mesmo que a doença não tenha cura, um acompanhamento regular e bem orientado leva ao desaparecimento das queixas dos doentes e à sua recuperação funcional.

 

VEJA TAMBÉM: ESCRITÓRIO: ESTRATÉGIAS PARA EVITAR DORES NA COLUNA

 

Estes tratamentos são muito variáveis e podem ir desde a toma de medicamentos, a uma alimentação adequada, evitar o excesso de peso, evitar o tabagismo, praticar exercício físico regular, adaptação de móveis e utensílios do dia-a-dia, nalguns casos repouso, fisioterapia e cirurgia se necessário. Estes tratamentos devem ser adaptados pelo reumatologista à doença e ao doente. Quanto a medicamentos, podem ser usados desde os analgésicos, anti-inflamatórios não esteroides, corticosteroides, bem como os chamados DMARDs (medicamentos modificadores da doença) clássicos ou biológicos.

 

É muito importante que a doença seja diagnosticada o mais precocemente possível e o tratamento iniciado rapidamente. Só assim se pode evitar o sofrimento dos doentes, bem como a deformação e incapacidade que estas condições muitas vezes acarretam. As queixas musculoesqueléticas são das primeiras causas de consulta em medicina Geral e Familiar, sendo que muitos destes doentes terão depois de ser encaminhados para uma consulta de especialidade em Reumatologia.

 

Dada a escassez de recursos humanos nestas duas áreas, é por vezes difícil monitorizar devidamente estes doentes, ainda mais porque vão necessitar de um acompanhamento regular e prolongado. Temos todos de tentar melhorar e gerir o melhor possível os nossos recursos, pois do nosso empenhamento e assistência vão depender o tratamento e seguimento destes doentes.

 

Por Maria João Salvador

Assistente Hospitalar Graduada de Reumatologia

 

 

Artigo anterior

Infraestruturas são responsáveis por 79% de todas as emissões de gases de efeito estufa

Próximo artigo

CE disponibiliza 60 mil passes ferroviários gratuitos a jovens europeus