Home»VIDA»DIREITOS HUMANOS»Mais de 700 milhões de crianças em risco elevado devido às alterações climáticas

Mais de 700 milhões de crianças em risco elevado devido às alterações climáticas

Inundações, secas, furacões e outros eventos climáticos extremos têm e terão um impacto especialmente profundo sobre as crianças vulneráveis e as suas famílias, assinala a Save the Children, na altura em que o presidente dos EUA se prepara para realizar uma cimeira de líderes sobre mudanças climáticas. Sendo das maiores vítimas atuais e futuras, a organização humanitária considera que as crianças devem ser ouvidas juntamente com os líderes mundiais.

Pinterest Google+
PUB

Cerca de 710 milhões de crianças vivem nos 45 países que correm o maior risco de sofrer impactos provocados pelas alterações climáticas, alerta hoje a Save the Children. Inundações, secas, furacões e outros eventos climáticos extremos terão um impacto especialmente profundo sobre as crianças vulneráveis ​​e as suas famílias, assinala a organização.

 

As crianças nesses países sofrerão, por exemplo, da escassez de alimentos, escassez de água, doenças e outras ameaças à saúde. A Save the Children alerta que são necessárias medidas drásticas para garantir que as crianças e as suas famílias possam lidar com os eventos climáticos atuais e futuros.

 

Uma análise  da organização humanitária mostra que, globalmente, centenas de milhões de crianças menores de 18 anos estão a viver em regiões onde as mudanças climáticas estão a afetar profundamente as suas vidas. O impacto da crise na produção de alimentos provavelmente levará à escassez local de alimentos e ao aumento dos preços, disse a Save the Children, com impactos devastadores nas famílias mais pobres.

 

VEJA TAMBÉM: UMA EM CADA CINCO CRIANÇAS NO MUNDO NÃO TEM ÁGUA SUFICIENTE PARA NECESSIDADES DIÁRIAS

 

A janela para evitar mudanças climáticas catastróficas está a fechar-se rapidamente, já que a crise deve piorar, a menos que uma ação urgente seja tomada agora. E como o presente e o futuro das crianças está em jogo, elas também devem ser ouvidas na conversa sobre a crise climática e devem ser envolvidas na formulação de políticas, recomendou a organização.

 

Enquanto o presidente dos EUA, Joe Biden, realiza uma cimeira de líderes sobre mudanças climáticas, que se inicia no Dia da Terra (22 de abril), a Save the Children pediu que as crianças, incluindo as mais marginalizadas e carentes que sofrem primeiro e pior, sejam ouvidos juntamente com os líderes mundiais.

 

Porém, crianças em países considerados de “baixo risco” também estão a enfrentar ameaças, por exemplo, de incêndios florestais, inundações, secas e outros eventos climáticos irregulares. Se não forem tomadas medidas drásticas, o impacto da crise climática provavelmente atingirá milhões de crianças a mais nas próximas décadas, alertou a organização.

 

«A crise climática é a maior ameaça para as crianças e para a realização dos seus direitos. O surto de COVID-19 já empurrou milhões de crianças e famílias para a pobreza e aumentou a fome e a desnutrição. Mas enchentes, furacões e secas também estão a causar a desnutrição das crianças», disse Inger Ashing, CEO da Save the Children International.

 

 

 

 

Artigo anterior

Desporto, voluntariado, cursos? Tire o máximo partido do seu tempo livre

Próximo artigo

Sete regras básicas para ser feliz e saudável