Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Maioria dos lisboetas considera que aplicações de agendamento de transporte são alternativa a ter carro próprio

Maioria dos lisboetas considera que aplicações de agendamento de transporte são alternativa a ter carro próprio

Estudo sobre o futuro de mobilidade em 10 cidades europeias indica que Lisboa tem a maior percentagem de utilização diária do carro próprio da Europa.

Pinterest Google+
PUB

Cerca de 76% dos lisboetas acreditam que aplicações para agendar um transporte, como a Uber, são uma alternativa a ter carro próprio, segundo um estudo da ORB promovido por esta plataforma e divulgado nesta terça-feira.

 

Lisboa é acompanhada por Roma na liderança desta crença, de acordo com o estudo que contou com a participação de mais de 10.000 inquiridos com idades compreendidas entre os 18 e 54 anos e com residência em Amesterdão, Barcelona, Berlim, Bruxelas, Lisboa, Londres, Paris, Roma, Estocolmo e Varsóvia.

 

Veja também: As melhores cidades da Europa para conhecer de bicicleta

 

De acordo com o estudo, Lisboa destaca-se ainda pela maior percentagem de utilização diária do carro próprio da Europa: 71% dos participantes do estudo assumem que utilizam o carro pelo menos uma vez por dia. Já 77% afirmam que optariam por ter apenas um carro se conseguissem facilmente a combinação entre aplicações de mobilidade e uma rede de transportes públicos fiável. As preocupações ambientais estão presentes para mais de 93% dos inquiridos.

 

Os lisboetas revelam-se dos europeus que mais utilizam os transportes públicos. Lisboa tem a segunda taxa mais alta no que diz respeito à utilização de metro ou comboio (só ultrapassada por Paris) com 49% dos inquiridos a utilizarem estes meios de transporte diariamente, e a mais alta utilização diária do autocarro, com 50% dos inquiridos a optarem por esta solução.

 

Veja também: Dicas para uma road trip inesquecível

 

Ainda assim, o estudo indica que 84% das pessoas que vivem em Lisboa acreditam que o transporte público não é suficiente para desistirem completamente do carro próprio. O responsável pela Uber em Portugal, Rui Bento, defende que «este estudo confirma que os lisboetas veem na Uber uma alternativa conveniente ao carro próprio que pode complementar e estender o alcance das infraestruturas de transportes públicos existentes. Em Lisboa, por exemplo, 56% das viagens na plataforma têm início fora da zona de cobertura do Metro de Lisboa, e 72% terminam a menos de 500m de uma estação».

 

Das dez capitais europeias que participaram no estudo, mais de dois terços (67%) acredita que aplicações como a Uber são uma boa alternativa ao carro próprio, sendo que 80% dos inquiridos já reservaram um carro através da aplicação no último ano. Dos inquiridos que possuem dois ou mais carros, 63% consideraram ter apenas um carro se pudessem ter uma solução de mobilidade que combine aplicações e transporte público fiável. No ano passado a utilização de aplicações como a Uber aumentou em 77%.

 

 

Artigo anterior

A pop up store mais remota do mundo fica num penhasco a 1919 m de altitude

Próximo artigo

De volta às rotinas saudáveis