Home»VIDA»CASA & FAMÍLIA»Mães tardias vivem mais tempo

Mães tardias vivem mais tempo

Ser mãe mais tarde também pode resultar em filhos mais altos e inteligentes. As mulheres que apostam primeiro numa vida mais estável e no sucesso da carreira têm, por norma, mais dinheiro, o que pode significar uma melhor nutrição e educação.

Pinterest Google+
PUB

Ter filhos mais tarde na vida faz com que as mães vivam mais tempo, tenham mais energia e os seus filhos sejam mais inteligentes, segundo as últimas descobertos da um estudo publicado no ‘The European Journal of Developmental Psychology’.

 

O estudo foi feito com 4.741 mães e crianças na Dinamarca. As mães e respetivos filhos foram acompanhados numa escala longitudinal e momentos pontuais: quando as crianças tinham 7, 11 e 15 anos. Entre as descobertas, uma prende-se com a menor aplicação de castigos verbais e físicos por parte das mães mais velhas do que das mães mais jovens. No ponto de 15 anos, as crianças de mães mais velhas também tiveram menos problemas comportamentais, sociais e emocionais do que as crianças de mães mais jovens.

 

Veja também: Dieta para as mães que amamentam 

 

O estudo teve em conta fatores cruciais como ao salário e a educação e atribuiu os resultados, principalmente, à maior paciência e estabilidade por parte das mães mais à medida que envelhecem.

 

De acordo com um estudo de 2016, em 28.000 mulheres dos EUA, aquelas que tiveram o primeiro filho após os 25 anos revelaram 11% maior probabilidade de viverem até aos 90 anos, um valor superior do que o daquelas que foram mães mais cedo.  As descobertas de um estudo de 2014 vão ainda mais longe e, segundo o mesmo, as mulheres que deram à luz depois dos 33 anos de idade tinham 50% mais probabilidade de viver até aos 95 anos do que as mulheres que tiveram o último filho com 29 anos ou menos.

 

Veja também: Ter filhos depois dos 40

 

Ser mãe mais tarde também pode resultar em filhos mais altos e inteligentes. Ainda que a altura possa apresentar uma causalidade incerta, a inteligência é justificada pela maior estabilidade financeira. As mães que tendem a adiar a gravidez para apostar no trabalho têm, por norma, mais dinheiro, o que pode significar uma melhor nutrição e educação.

Artigo anterior

«Os portugueses têm pouca força de vontade para mudarem o seu estilo de vida»

Próximo artigo

Alemanha é líder em lançamento de produtos vegan