Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Louis Vuitton e UNICEF unem-se por uma boa causa

Louis Vuitton e UNICEF unem-se por uma boa causa

Louis Vuitton mostra o seu lado mais solidário e une-se à UNICEF para ajudar crianças em situações vulneráveis.

Pinterest Google+
PUB

A gigante de moda francesa, Louis Vuitton, assinou uma parceria com o ‘Fundo das Nações Unidas para a Infância’ (UNICEF), para ajudar crianças em situações desfavorecidas em todo o mundo.

 

A maison desenhou um colar e uma pulseira que serão vendidos por 500€ cada, dos quais 200€ serão destinados à ‘UNICEF’, organização líder na ajuda humanitária a crianças. Desta forma, a organização poderá implementar recursos para enfrentar a situação desfavorecida de milhões de crianças.

 

Esta linha solidária de joias foi batizada com o nome ‘Silver Lockit’, porque as peças foram inspiradas num cadeado desenhado por Georges Vuitton, em 1890, para proteger as pertenças dos seus clientes na altura.

 

Veja a galeria: Fotógrafa capta últimos ‘pés de lótus’

 

«Com a UNICEF podemos marcar diferença na vida de crianças em situações vulneráveis», explicou Michael Burke, presidente da Louis Vuitton, ao jornal ‘El país’. Para o executivo, a caridade começa em casa e por isso «quase 20.000 funcionários uniram forças para esta causa». A ‘UNICEF’ manifestou o seu apreço pela empresa e Gérard Bocquenet, diretor da Captação de Recursos e Parcerias, diz que esta colaboração «também servirá para aumentar a visibilidade de emergências silenciosas que não estão no olho do público, mas que igualmente afetam as crianças de maneira arrasadora».

 

Além de lançar esta coleção de joias, a Louis Vuitton comprometeu-se a lançar uma campanha digital para aumentar a consciencialização. Com a hashtag #MakeAPromise (‘fazer uma promessa’, em português), a marca pretende incentivar o maior número possível de clientes a juntar-se a esta causa.

 

Nos conflitos, epidemias ou desastres naturais, são as crianças que mais sofrem e padecem de subnutrição, doenças e até de violência.

 

Aqueles que vivem em áreas de conflito não têm acesso a serviços básicos, como água potável, o que aumenta a probabilidade de morrerem sem antes completarem o seu quinto aniversário, apontou a ONG.

 

 

Artigo anterior

Irina Shayk é a nova cara da Givenchy

Próximo artigo

Apresentadora espanhola dá nome Bowie a filho