Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»‘Likes’ no Facebook iludem empresas, revela estudo

‘Likes’ no Facebook iludem empresas, revela estudo

Quando uma empresa publica conteúdo, não há nenhuma garantia de que este vá aparecer no feed dos seus seguidores.

Pinterest Google+
PUB

Os gestores de redes sociais que pensam que construir uma liga de seguidores no Facebook é suficiente para impulsionar as vendas de uma marca, desenganem-se. Um novo estudo da Universidade de Tulane, EUA, sugere que as empresas que pretendem converter os fãs das redes sociais em clientes têm de envolvê-los com a publicidade.

 

«Quando pensamos no Facebook, pensamos nele como uma plataforma muito social. A maioria das empresas pensa que essas interações sociais levarão a mais fidelidade dos clientes e a clientes mais rentáveis. Não é necessariamente o caso​», diz Daniel Mochon, professor de marketing na Escola de Negócios da Universidade de Tulane.

 

Veja também: Sabe quem anda a espiar o seu Facebook?

 

Mochon, Janet Schwartz, professora assistente de marketing em Tulane, e Dan Ariely, da Duke University, trabalharam com Karen Johnson, gestora da Discovery Health, para projetarem um estudo que utilizasse a página do Facebook do programa de bem estar  da seguradora Discovery Vitality. Os consumidores podiam ganhar pontos por se envolverem em comportamentos saudáveis, como fazerem exercício, e resgatarem esses pontos em recompensas.

 

A equipa responsável pelo estudo convidou novos clientes para proceder à pesquisa e convidou-os aleatoriamente para que gostassem da página do Facebook da Discovery Vitality. Aqueles que não foram convidados serviram como grupo de controlo.

Veja também: Quem utiliza o Facebook vive mais tempo

 

Os participantes foram monitorizados durante quatro meses e não foi encontrada nenhuma diferença nos pontos de recompensa ganhos. A Discovery Vitality pagou, então, ao Facebook para exibir dois posts por semana ao grupo de gostos durante dois meses. Esse grupo ganhou 8% mais pontos de recompensa do que aqueles que faziam parte do grupo de controlo.

 

Os autores suspeitam que os anúncios foram eficazes porque o algoritmo do Facebook tem a capacidade de filtrar o conteúdo pelas preferências e atividades dos utilizadores. Quando uma empresa publica conteúdo não há nenhuma garantia de que esta vai aparecer no feed dos seus seguidores, a menos que o conteúdo seja impulsionado. Mais informação aqui.

Artigo anterior

Alexandre Monteiro: «A falta de contato visual, na maior parte das vezes, deve-se à falta de confiança»

Próximo artigo

DECO lança campanha «Vendas à minha porta, NÃO!»